Leia também:
X Supremo vai decidir se nova Lei de Improbidade pode retroagir

Emílio Surita debocha de viés da grande imprensa em manchetes

Apresentador destacou viés negativo utilizado em notícias que possuem dados favoráveis ao governo Bolsonaro

Paulo Moura - 03/08/2022 09h44 | atualizado em 03/08/2022 11h26

Emílio Surita Foto: Reprodução/Jovem Pan

O apresentador Emílio Surita, da Jovem Pan, debochou da forma como parte da chamada “grande imprensa” aborda notícias relacionadas ao governo do presidente Jair Bolsonaro, especialmente aquelas nas quais os dados são positivos para o país.

Durante o programa, Emílio ilustrou como as manchetes de veículos que se opõem a Bolsonaro trazem sempre um viés negativo em suas chamadas. Ao ler diversos títulos de notícias, o apresentador ironizou o uso da conjunção “mas” em várias publicações feitas pelos veículos tradicionais.

– Prestem atenção [nas manchetes]: “Brasil melhora, mas ainda precisa superar desigualdade, aponta OCDE”; “Desemprego recua para 9,3% em junho, mas número de informais é recorde, aponta IBGE”; “Itaú eleva PIB para 2% em 2022, mas alerta para desafio fiscal relevante”; “Brasil tem menor taxa de homicídios em uma década, mas está entre os dez países mais violentos” – ilustrou.

A declaração de Emílio aconteceu na edição desta terça-feira (2) do Pânico, que teve como convidado principal o deputado federal Helio Lopes (PL-RJ). Durante o programa, o parlamentar falou sobre diversos assuntos relacionados à atuação dele como deputado e sobre o apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Leia também1 Supremo vai decidir se nova Lei de Improbidade pode retroagir
2 Jair Bolsonaro sobre debates: "A princípio, a ideia é comparecer"
3 Deputado do PL estimula boicote a empresário que assinou carta
4 PT do Rio aprova resolução para deixar de apoiar Freixo
5 Sabatina de indicados ao STJ fica para depois das eleições

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.