Leia também:
X Não lacrou! Prefeitura usa ‘todes’ em post, mas apaga após críticas

Em evento, Pazuello afirma que a ‘pandemia não acabou’

Ministro da Saúde disse que voltaremos a uma normalidade com "vacinas" e "antivirais" contra a Covid-19

Henrique Gimenes - 11/12/2020 15h19 | atualizado em 11/12/2020 21h58

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello Foto: PR/Carolina Antunes

Nesta sexta-feira (11), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a pandemia de Covid-19 ainda não acabou e que o mundo só chegará “próximo a uma normalidade quando tivermos as vacinas e antivirais” que combatam a doença. Ele lembrou também que ainda não há nenhuma imunização registrada no mundo e que a vacinação em outros países está ocorrendo de forma emergencial.

As declarações foram dadas durante participação em um evento em Goiânia (GO).

– A pandemia não acabou. Ela prossegue, vamos conviver com o coronavírus. Vamos chegar próximo a uma normalidade quando tivermos as vacinas, os antivirais que combatem efetivamente a doença – destacou.

Sobre a questão das vacinas, o ministro da Saúde disse que irá pedir agilidade à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para liberar o uso de imunizações de forma emergencial.

– Não há no mundo, até hoje, nenhuma vacina registrada. O que estamos vendo na Inglaterra é a autorização emergencial de uso para grupos restritos e com assinatura de responsabilidade individual. Essa mesma autorização emergencial foi assinada ontem nos EUA e será solicitada à Anvisa no Brasil – ressaltou.

Pazuello também informou que o governo já está se movimento para adquirir as vacinas.

– Determinei também que nós tivéssemos contratos, não vinculantes inicialmente, mas memorandos de entendimento com todos os fabricantes de vacina que se disponibilizarem no nosso país. (…) A responsabilidade é das autoridades que estarão oferecendo a vacina, oferecendo de forma gratuita e voluntária – explicou.

Ele ainda disse que nenhum estado será tratado de “forma diferente” e que a vacinação será feita seguindo um calendário nacional.

Leia também1 Para vacinar países pobres, OMS pede R$ 21,8 bilhões em doações
2 Deputado de São Paulo critica Doria e 'atos nocivos' do PSDB
3 AstraZeneca avalia fazer uso combinado com vacina russa
4 Governo anuncia compra de 70 milhões de doses da Pfizer
5 Vacina chinesa será submetida à Anvisa para uso emergencial

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.