Leia também:
X Defesa de Witzel faz novo pedido ao STF para voltar ao cargo

Em alta! Aprovação de Bolsonaro volta a patamar pré-pandemia

Índice superou a reprovação pela primeira vez em 16 meses

Gabriela Doria - 14/09/2020 15h16 | atualizado em 14/09/2020 16h11

Presidente Jair Bolsonaro mantém altos índices de popularidade Foto: PR/Alan Santos

Uma nova pesquisa sobre o governo Jair Bolsonaro mostrou que a popularidade do presidente continua em alta. Desta vez, o levantamento da XP/Ipespe aponta que a aprovação de Bolsonaro em setembro chegou a 39%, 24% consideram seu governo regular e 37%, ruim ou péssimo.

Esta é a quinta pesquisa seguida em que os índices positivos sobre a administração de Bolsonaro apresentam alta e a reprovação diminui.

A perspectiva para o restante do mandato também teve melhora. Agora, 40% esperam que ele faça um bom ou ótimo governo até o fim do mandato. Para 35% será ruim ou péssimo. Os que acham que será regular são 20%.

A visão da gestão de Bolsonaro sobre a pandemia também melhorou. Para 28% da população, a atuação do governo foi boa ou ótima. Ainda assim, 49% acreditam que seu desempenho foi ruim ou péssimo.

Na contramão, a parte da população que diz sentir muito medo de pegar o coronavírus diminuiu, chegando a 30%, o menor número desde fevereiro. Outros 40% afirmam que estão com um pouco de medo. Outros 29% disseram que não estão com medo de ter a doença, menor índice desde fevereiro também.

O levantamento a XP/Ipespe entrevistou mil pessoas em todo o país entre os dias 8 e 11 de setembro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Leia também1 Igrejas: Bolsonaro sugere ao Congresso que derrube veto
2 Propostas de Bolsonaro podem ser aprovadas na Câmara
3 Deputados denunciam ‘artista’ que fez escultura de Bolsonaro
4 Ministro Tarcísio diz que era ninguém antes de Bolsonaro
5 PGR diz ao STF que Bolsonaro pode bloquear seguidores na web

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.