Leia também:
X Cantora Aline Borel é achada morta com marcas de tiros

Em 2018, Moraes defendeu indulto de Temer que beneficiou condenados por corrupção

"O indulto é um ato privativo do presidente da República", disse o magistrado na época

Monique Mello - 22/04/2022 12h26 | atualizado em 22/04/2022 12h49

Alexandre de Moraes Foto: Reprodução/TV Justiça

Em 2018, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes defendeu indulto assinado pelo então presidente Michel Temer (MDB) em 2017, que gerou polêmica por beneficiar condenados pela Operação Lava Jato e pelo crime de colarinho branco.

Em seu voto a favor, Moraes declarou que o indulto presidencial “é ato de clemência constitucional e privativo do presidente da República”.

– Podemos gostar ou não, assim como vários parlamentares também não gostam quando o STF declara inconstitucionalidade de leis ou emendas, mas existe – sustentou o magistrado.

Na época, o decreto de Temer ignorou solicitação da força-tarefa e recomendação das câmaras criminais do Ministério Público Federal que pediam, entre outros pontos, que os condenados por crimes contra a administração pública – como corrupção – não fossem agraciados pelo indulto.

Nesta quinta-feira (21), ao assinar um decreto que concede indulto ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), o presidente Jair Bolsonaro usou da mesma prerrogativa usada por Moraes há quatros anos.

Leia também1 Constantino aplaude decisão de Bolsonaro: "Cabra macho"
2 Rede recorre ao STF para anular perdão de Bolsonaro a Silveira
3 Oposição ataca Bolsonaro e diz que indulto a Silveira é "golpe"
4 Ministros do Supremo chamam indulto a Silveira de "surreal"
5 Leia a íntegra do decreto que concedeu perdão a Silveira

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.