Leia também:
X Weintraub aparece em 2° em pesquisa para governador de SP

Eduardo Cunha sobre futuro: “Me aguardem, eu vou voltar”

Ex-deputado falou sobre seus planos, seu período na cadeia, e fez análises sobre o cenário eleitoral de 2022

Thamirys Andrade - 14/05/2021 12h36 | atualizado em 14/05/2021 15h52

Eduardo Cunha planeja o segundo livro sobre os bastidores da República: Querida, Eu Voltei Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Após cumprir quatro anos e meio de prisão dos 15 anos a que foi condenado, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha assegurou que não desistiu da política. Aos 62 anos, ele revela planos de concorrer às eleições no futuro, escrever um segundo livro sobre os bastidores da República, criar um canal no Youtube e até empreender, agora que a medida que o impedia de sair às ruas foi revogada.

– A candidata nas próximas eleições, a deputada federal, é a minha filha Danielle Cunha. Mas me aguardem: com certeza, eu vou voltar – prometeu ele em entrevista à Revista Veja, publicada nesta sexta-feira (14).

Alvo de processos em investigações anticorrupção, Cunha estava preso graças a pedidos de prisão preventiva de investigações decorrentes da Operação Lava Jato e a Operação Spsis. Agora ele responde aos processos em liberdade.

Apesar das acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e desvios, Cunha nega que tenha roubado um centavo sequer. Ele diz ter sido usado por Sergio Moro como contraponto a fim de parecer que o ex-juiz não “perseguia unicamente o PT”.

– Não me beneficiei de dinheiro público. Talvez tenha cometido o mesmo erro que outros brasileiros, que, com a inflação alta, mantiveram dinheiro no exterior sem declarar à Receita Federal. Nunca roubei. Para ser sincero, não tenho um centavo sequer. Todo o meu dinheiro foi bloqueado. Hoje sou sustentado pela família. Agora, com a liberdade, preciso arranjar um jeito de sobreviver.

Ao falar sobre seu período na cadeira, o ex-deputado revelou ter sofrido ameaças de outros detentos.

– Como a gente era obrigado a andar pela cadeia, onde havia presos comuns e membros do PCC, sofri ameaças sérias. Esse tipo de informação faz com que bandidos achem que você tem dinheiro e aí tentam extorqui-lo. Existia o medo de que um grupo invadisse a ala da Lava-Jato para fazer de refém um de nós – disse Cunha, que chegou a dividir celas com José Dirceu, João Vaccari Neto e André Vargas.

ELEIÇÕES 2022
A análise de Eduardo Cunha sobre o cenário eleitoral do próximo ano é de que a única forma de tirar o ex-presidente Lula (PT) da política é por meio de uma derrota, e não via perda de direitos. Nesse sentido, Cunha expressa seu apoio a Jair Bolsonaro (sem partido) devido ao viés antipetista do atual mandatário.

– Como eu vou ficar contra quem foi colocado para ser o anti PT? A discussão não é apoiar ou não. Não quero é o PT de volta. O Lula precisa ser derrotado no voto para que a polarização seja superada, e esse esqueleto, enterrado. Tirá-lo do jogo é um erro, porque ele fica mais forte. Aliás, esses nomes de centro que apareceram por aí, Mandetta, Doria, Huck, são a turma dos 3%, com chance zero de ganhar.

Leia também1 Jorge Picciani, ex-presidente da Alerj, morre aos 66 anos em SP
2 Fux vai se declarar impedido de julgar delação de Sérgio Cabral
3 Presidente Bolsonaro inaugura Canal do Sertão Alagoano
4 Senado aprova PL que suspende reajuste de medicamentos
5 Lira detalhará plano da reforma tributária na próxima semana

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.