Leia também:
X Vândalos picham igreja: ‘Que o diabo tenha pena de vocês’

Eduardo Bolsonaro defende voto impresso “contra fraudes”

De acordo com o deputado, mudança no sistema iria criar uma "barreira contra qualquer distorção"

Henrique Gimenes - 06/11/2020 15h53 | atualizado em 06/11/2020 16h07

Urna eletrônica com impressora do voto Foto: Reprodução

Nesta sexta-feira (6), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) utilizou suas redes sociais para fazer uma campanha em defesa do voto impresso no Brasil. Em várias publicações, ele explicou como funcionaria o sistema e disse que o objetivo é “ter mais uma barreira contra qualquer distorção”.

A manifestação ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro afirmar, durante transmissão ao vivo nesta quinta-feira (5), que seu governo iria buscar mudanças no sistema eleitoral brasileiro para as eleições de 2022. De acordo com o presidente, o voto impresso seria uma dessas alterações.

Ao comentar a medida, Eduardo Bolsonaro lembrou que o “voto impresso já é lei, porém o STF [Supremo Tribunal Federal] o decretou inconstitucional por violar o sigilo da votação. Mas isso não ocorreria, ninguém levaria comprovante impresso pra casa”.

De acordo com o parlamentar, imprimir o voto é uma maneira de “evitar confusões que botem em risco a nossa democracia e o Estado democrático de direito”, já que o “voto impresso é uma maneira simples e eficaz de possibilitar auditoria da urna eletrônica”.

Para Eduardo, a “votação deve ser tão simples e ter tanta transparência quanto possível” com a intenção de que “todos os brasileiros (sejam de direita, esquerda, não importa) tenham a chance de comprovar seu voto”.

Como funcionaria o voto impresso Foto: Reprodução

Leia o que disse o deputado:

O voto é importantíssimo numa democracia. Assim, temos que ter certeza que todo voto é computado corretamente.

Voto impresso já é lei, porém o STF o decretou inconstitucional por violar o sigilo da votação. Mas isso não ocorreria, ninguém levaria comprovante impresso pra casa.

Como seria o processo? O eleitor votaria na urna e teria seu voto impresso na hora. Então, ele teria a chance de conferir se ambos batem. Estando tudo certo, o comprovante impresso seria depositado em outra urna, criando uma segunda barreira de segurança contra fraudes.

Esta pauta deve ser prioritária, para evitar confusões que botem em risco a nossa democracia e o Estado democrático de direito. Voto impresso é uma maneira simples e eficaz de possibilitar auditoria da urna eletrônica. Repetindo: não se leva um comprovante impresso para casa.

A votação deve ser tão simples e ter tanta transparência quanto possível, além de ser barreira contra distorção. Assim, todo o povo poderá compreender o processo e ter confiança de que não existem irregularidade ou possibilidade de fraude.

O que pedimos não é nada absurdo ou impossível de ser feito. Ou ainda algo fora da lei. Pelo contrário, queremos apenas que todos os brasileiros (sejam de direita, esquerda, não importa) tenham a chance de comprovar seu voto e ter mais uma barreira contra qualquer distorção.

Você confia 100% no voto eletrônico?

Leia também1 Bolsonaro defende voto impresso por "sistema eleitoral confiável"
2 Em live, Jair Bolsonaro volta a chamar Globo de "TV Funerária"
3 STF forma maioria e nega pedido do PDT para afastar Guedes
4 Letícia Firmo, filha de Michelle Bolsonaro, completa 18 anos
5 Bolsonaro fala de empregos e diz que "a economia está reagindo"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.