Leia também:
X Carlos Wizard defende Nise e diz que ela ‘agiu como Jesus’ na CPI

Eduardo critica Lei Paulo Gustavo: “Covidão da Cultura”

Deputado se manifestou por meio de uma rede social

Ana Luiza Menezes - 04/06/2021 15h42 | atualizado em 04/06/2021 17h20

Deputado federal Eduardo Bolsonaro Foto: AFP

Nesta sexta-feira (4), o deputado federal Eduardo Bolsonaro usou as redes sociais para criticar o Projeto de Lei Complementar (PLC) 73/2021, que leva o nome do ator Paulo Gustavo, que morreu vítima do novo coronavírus. Na avaliação do parlamentar, a “ojeriza dos tempos de CPI da Lei Rouanet irá retornar”.

– Se aprovado este projeto de lei Paulo Gustavo, o Congresso estará dando um passa moleque no TCU e homenageando a s******** com dinheiro público. A ojeriza dos tempos de CPI da Lei Rouanet irá retornar. É simplesmente isso.

Em outro tuíte, o deputado disse ainda que o Projeto de Lei Paulo Gustavo “será o Covidão da Cultura”.

– O Projeto de Lei Paulo Gustavo nada mais é do que repasse obrigatório do governo federal para estados fazerem o que quiserem. Será o covidão da cultura. Pergunto: a lei vai homenagear Paulo Gustavo só no nome ou os escândalos de corrupção também levarão o nome póstumo do artista? – declarou.

Declarações do parlamentar Foto: Reprodução

O PL que leva o nome do artista estipula apoio financeiro da União aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios para garantir ações emergenciais voltadas ao setor cultural.

O humorista Paulo Gustavo tinha 42 anos e morreu em maio, após complicações da Covid-19.

Leia também1 Niterói instala placas de rua que recebeu nome de Paulo Gustavo
2 Homem furta placa de rua que terá o nome de Paulo Gustavo
3 Niterói aprova troca de nome de rua em honra a Paulo Gustavo
4 Henkel rebate declarações de Huck e Varella sobre morte de Paulo Gustavo
5 Mãe de Paulo Gustavo chora em missa: "A fé é o que me segura"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.