Leia também:
X Rede pode se “unir” ao PSOL, e Marina deve concorrer à Câmara

Doria chama de ‘crime’ fala de Queiroga sobre crianças

Ministro da Saúde afirmou que óbitos de crianças por Covid-19 estão "dentro de um patamar que não implica decisões emergenciais"

Henrique Gimenes - 23/12/2021 21h29 | atualizado em 24/12/2021 10h35

Governador de São Paulo, João Doria Foto: EFE/Debora Klempous

Nesta quinta-feira (23), o governador de São Paulo, João Doria, criticou uma declaração do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a respeito das mortes de Covid-19 por parte de crianças. Para o político, a fala do ministro foi um “crime”.

A declaração de Queiroga ocorreu após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar a imunização contra a Covid-19 de crianças entre 5 e 11 anos de idade. As doses da vacina, no entanto, serão diferentes das aplicadas em adultos. De acordo com ele, os óbitos na faixa etária estão em um patamar que “não implica decisões emergenciais”.

– Os óbitos em crianças [por Covid-19] estão absolutamente dentro de um patamar que não implica decisões emergenciais. Ou seja, favorece o Ministério da Saúde, que tem que tomar suas decisões [com base] em evidências científicas de qualidade – declarou Queiroga a jornalista em frente ao Ministério.

Ao comentar a declaração, Doria disse que não existe um patamar aceitável de morte de crianças.

– Não há patamar aceitável de óbitos para crianças, ministro Marcelo Queiroga! Isso é crime. Vacinas salvam crianças e adultos. Salvam até os loucos negacionistas – escreveu.

Leia também1 "Nível de mortes de crianças não pede decisões emergenciais"
2 Queiroga defende a consulta pública sobre vacinar crianças
3 "Bolsonaro faz politicagem com vida de crianças", diz Freixo
4 Oposição vai ao STF contra Bolsonaro por vacina a crianças
5 Começa, nesta quinta, a consulta pública sobre vacinação infantil

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.