Leia também:
X CNJ manda investigar situação de crianças em manifestações

Diretor da fundação de Soros participará da transição de Lula

Pedro Abramovay foi um dos redatores de decisão que manteve Cesare Battisti no Brasil

Paulo Moura - 17/11/2022 13h47 | atualizado em 18/11/2022 07h29

George Soros Foto: EFE/Stefan Zaklin

O diretor executivo da Open Society na América Latina e Caribe, Pedro Abramovay, foi escolhido como um dos integrantes do grupo de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O nome de Abramovay foi um dos anunciados pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) como participante da equipe nesta quarta-feira (16).

Criada em 1984 pelo bilionário George Soros, a Open Society Foundations é conhecida por defender temas da agenda progressista, como a liberação das drogas e do aborto. A organização também afirma que financia projetos que “promovam os direitos em áreas como o reconhecimento legal da fluidez de gênero”.

Pedro Abramovay, por sua vez, é formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e já ocupou diversos cargos no Ministério da Justiça durante os governos anteriores de Lula, entre eles o de assessor especial do então ministro Márcio Thomaz Bastos entre 2004 e 2006, de secretário de Assuntos Legislativos entre 2007 e 2010, e de secretário Nacional de Justiça entre 2010 e 2011.

Pedro Abramovay Foto: ABr/Wilson Dias

Em seu período na pasta, ele foi um dos coordenadores da Campanha do Desarmamento e trabalhou na implementação e regulamentação do Sistema Penitenciário Federal. No entanto, o trabalho do advogado no ministério também ficou marcado por diversas controvérsias.

A primeira delas foi o fato de ter redigido, junto do então ministro da Justiça Tarso Genro, a decisão que concedeu refúgio ao terrorista italiano Cesare Battisti em 2009. Em entrevista concedida ao site Opera Mundi em 2017, Abramovay disse ser “muito evidente a inocência de Battisti”. Em 2019, o terrorista foi finalmente extraditado para a Itália.

Já em 2010, uma reportagem do jornal Folha de São Paulo acusou Abramovay de nepotismo após sua esposa, Carolina Haber, ter sido nomeada para um cargo de confiança na Casa Civil. Na época, o veículo afirmou que a nomeação teria ocorrido a partir de um pedido do advogado a um de seus melhores amigos, Beto Vasconcelos, que acabaria sendo chefe de Carolina na pasta.

Leia também1 Lula vai revogar decretos de armas, anuncia Flávio Dino
2 Ministério da Segurança Pública faz ex-deputado divergir de Lula
3 Judiciário alemão anula eleições de Berlim por irregularidades
4 Nome cotado para direção-geral da PRF é gay e defende maconha
5 Gleisi diz que o mercado é uma "vergonha": "Para de mimimi"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.