Leia também:
X Desmatamento: Varejo europeu ameaça boicote ao Brasil

‘Diplomacia da saúde’, diz França sobre chegada de vacinas

Ministro das Relações Exteriores falou sobre chegada das vacinas do consórcio Covax Facility

Pleno.News - 06/05/2021 12h01 | atualizado em 06/05/2021 15h35

Ministro das Relações Exteriores Carlos França Foto: Marcos Corrêa/PR

O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto de Franco França, salientou nesta quinta-feira (6) a chegada, no fim de semana, de 4 milhões de doses de vacinas provenientes do consórcio internacional Covax Facility.

– É o primeiro resultado satisfatório numa corrida contra o tempo – disse França durante sessão na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado.

Em 28 de abril, o chanceler participou de uma audiência similar na Câmara dos Deputados.

Para Carlos França, a chegada dessas doses é fruto do trabalho do Itamaraty na busca de vacinas para os brasileiros dentro da estratégia “diplomacia da saúde” junto à atuação das comissões de relações exteriores da Câmara e do Senado.

Ele lembrou que o primeiro lote da Covax, num total de 1 milhão de doses, desembarcou no Brasil em março e previu que o país deve receber 4 milhões de doses adicionais em maio.

– Diante da pressão internacional, este é um grande êxito do trabalho conjunto com Congresso, que levou à antecipação dessa quantidade de vacinas – considerou França.

Antes de se pronunciar, o ministro ouviu da presidente da comissão, a senadora Katia Abreu (Progressistas – TO), que sua responsabilidade à frente do Itamaraty é grande. Ela criticou o que chamou de “desvios ideológicos”, “excessos” e “incidentes diplomáticos” que transformaram negativamente a imagem do Brasil no exterior.

– Quero garantir que equívocos como estes não sejam cometidos – disse a parlamentar.

A senadora também deixou clara a intenção de maior participação do Senado na atuação externa do Itamaraty.

França repetiu hoje o que já tinha dito em seu discurso de posse e na participação na audiência na Câmara, como mais atuações conjuntas com várias áreas diferentes dos Três Poderes. Além da questão da pandemia, o chanceler voltou a enfatizar que os outros maiores desafios do país atualmente são a recuperação econômica e as discussões sobre a área ambiental.

GARGALOS
Carlos Alberto de Franco França repetiu que o maior gargalo na obtenção das vacinas contra a Covid-19 em todo o mundo é a capacidade de produção das empresas farmacêuticas. Ele adiantou, sobre a quebra de patentes, que corresponde a um licenciamento compulsório, que poderá comentar sobre a recente mudança de posição dos Estados Unidos, anunciada nesta quarta-feira, sobre essa questão no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O chanceler acrescentou que uma posição na mesma direção foi sinalizada na manhã desta quinta-feira (6) pela União Europeia (UE). Apesar disso, França reforçou que, segundo especialistas, é difícil reproduzir vacinas, mesmo quando há auxílio dos laboratórios. Além disso, salientou que, no caso de necessidade, um acordo na OMC (chamado de Trips) e a lei brasileira já permitem a produção local sem ruptura dos acordos internacionais no caso de necessidade.

*Estadão

Leia também1 'Negacionismo é negar que o governo investe na ciência'
2 Sputnik Light: Rússia registra vacina anticovid de dose única
3 Desmatamento: Varejo europeu ameaça boicote ao Brasil
4 Pfizer anuncia acordo para vacinar atletas das Olimpíadas
5 Óleo diesel vaza de unidade do Carrefour e atinge o mar em SP

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.