Leia também:
X Dirigente do Flamengo nega apoio de Landim a Bolsonaro

Dilma diz que Bolsonaro flerta com “golpe dentro do golpe”

Petista também criticou o plano econômico do governo

Pierre Borges - 31/08/2021 13h55 | atualizado em 14/10/2021 14h05

Ex-presidente Dilma Rousseff
Ex-presidente Dilma Rousseff Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Cinco anos após ter sido afastada do cargo, a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que Bolsonaro flerta com um “golpe dentro do golpe”, em referência a seu impeachment ocorrido em 31 de agosto de 2016.

– Como se não tivéssemos já vivido o golpe, que já aconteceu, o que estamos vivendo são as etapas do possível endurecimento do regime político no Brasil; o governo flertando com a possibilidade de um golpe dentro do golpe – apontou Dilma.

A petista criticou a presença dos militares no governo e ressaltou que a tendência começou a crescer logo após sua saída da Presidência.

– Lembra que, no governo Temer, deram uma importância grande aos militares, voltando a ter o GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República), entregue ao general Sérgio Etchegoyen, levando um militar para dirigir o Ministério da Defesa? Isso nunca tinha acontecido: entregar o Ministério da Defesa a um militar – criticou.

O planejamento econômico do governo foi outro ponto rechaçado por Dilma. Ela afirmou que as decisões da equipe econômica de Bolsonaro comprometem a soberania nacional e que, em 2016, sofreu um “golpe sobretudo neoliberal”.

– Lá atrás [em 2016], houve um golpe parlamentar, judiciário e midiático. Mas, sobretudo, um golpe do setor financeiro, do capitalismo financeirizado; um golpe neoliberal (…) [que] vai ensejar todas as medidas que vão levar à volta da pobreza no Brasil e à volta do desemprego. Ali, permitiu-se tomar as medidas que comprometeram a soberania nacional, seja a venda de estatais, ou o esquartejamento da Petrobrás, ou aquele absurdo da Eletrobrás, que é um escândalo! Fizeram uma feira da Eletrobrás, como se fosse passível de [se] colocar numa quermesse do interior – afirmou.

A petista argumentou que, no seu impeachment, “não houve uma intervenção clássica militar, mas uma manipulação das regras legais”, onde foram criados “crimes onde não existiam”.

Leia também1 Dilma vai passar por cirurgia cardíaca nesta quarta-feira
2 Dirigente do Flamengo nega apoio de Landim a Bolsonaro
3 Michelle fez um compromisso com Deus para estar no poder
4 PM reúne grupos pró e contra o governo para discutir atos em SP
5 Renan acusa Ricardo Barros de chefiar 'esquema de roubalheira’

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.