Leia também:
X Homem asfixiado foi abordado pela PRF por estar sem capacete

Deputado diz que PT vetou atriz pornô por ela ser “pobre”

Deputado federal José Medeiros aponta que implicação não foi o ofício de Ester Caroline, a Tigresa VIP

Monique Mello - 27/05/2022 12h52 | atualizado em 27/05/2022 14h15

Deputado federal José Medeiros Foto: Reprodução/YouTube Conexão Poder

O deputado federal José Medeiros (PL) classificou como hipócrita a decisão do PT de não filiar Ester Caroline Pessatto – a Tigresa VIP – uma atriz pornô de sua cidade, Mato Grosso. Para o parlamentar, o agravante para o partido não é a ocupação de Ester, mas sim seu status social e financeiro.

– Esses caras [do PT] defendem qualquer p****** que seja cool, que seja de luxo, intelectual. É mais ou menos assim: é a p****** chique. Se for pobre não serve, não do interior do Mato Grosso. Se for Leblon, Ipanema, aí funciona. […] Como é uma pobre, negra. Eles não defendem tanto as minorias? – questionou, em entrevista ao canal do YouTube Conexão Poder.

Medeiros citou o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), que já fez filmes pornográficos, foi oposição ao PT, mas nem por isso rechaçado. O parlamentar comparou também Tigresa com a cantora Anitta.

– Anitta pode tatuar o toba, que é bonito. Se a Anitta quiser ser candidata eles liberam amanhã. A menina nem tatuou o toba! – disparou.

O CASO
Ester Caroline Pessatto, uma atriz pornô conhecida como Tigresa VIP, obteve liminar na Justiça Eleitoral de Mato Grosso, garantindo o direito de filiar-se ao PT e, assim, disputar uma vaga para deputada estadual.

A determinação foi dada pelo juiz Alexandre Paulichi Chiovitti, da 38° Zona Eleitoral de Santo Antônio do Leverger, a 35 quilômetros de Cuiabá, nesta quarta-feira (25).

A atriz teve seu pedido de filiação rejeitado pelo PT em abril deste ano. Para o juiz, a negativa do partido correu sem a observância dos direitos de defesa de Ester, já que o partido não homologava a filiação e não respondia aos questionamentos da atriz.

Alguns líderes do partido, no Mato Grosso, haviam alegando irregularidades no processo de filiação de Ester. De acordo com eles, a atriz teria se filiado no município de Barão de Melgaço sem autorização do diretório municipal.

A defesa de Ester sustentou que ela sofreu discriminação por parte da legenda. Por meio de nota, o advogado de Tigresa declarou que a “verdade venceu”.

Leia também1 Justiça determina e PT deverá filiar atriz pornô ao partido
2 Câmara de São Paulo aprova o "Dia da Harmonização Facial"
3 Anitta vira sócia de startup que fabrica carne à base de planta
4 Luciana Gimenez conta que foi vítima de assédio aos 12 anos
5 Luiza Brunet fala sobre boatos de namoro com ministro Luiz Fux

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.