Leia também:
X Aglomerou! Relembre festinhas de famosos durante a pandemia

Demissão de médico gera crise interna no STF e desgasta Fux

Exoneração foi vista como tentativa de achar um "bode expiatório" para acalmar a opinião pública

Pleno.News - 30/12/2020 14h13 | atualizado em 30/12/2020 18h05

Superiores tinham conhecimento de documento que pedia reserva de vacinas para a Corte Foto: STF/Nelson Jr

A exoneração do médico Marco Polo Freitas, após pedido a laboratórios brasileiros para reservarem 7 mil doses de vacina contra coronavírus para imunizar ministros, servidores e familiares, causou uma nova crise no Superior Tribunal Federal (STF). O Presidente da Corte, Luiz Fux, foi alvo de críticas de outros ministros por ter retirado Freitas do cargo de Secretário de Serviços Integrados de Saúde.

Na terça, o médico afirmou que nunca realizou “nenhum ato administrativo sem ciência e anuência” dos seus superiores hierárquicos.

Ministros ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo elogiaram a atuação profissional de Freitas nos 11 anos em que esteve no Supremo (desde 2014 à frente da secretaria). Eles lembraram ainda que Fux havia defendido o pedido de reserva de imunizantes para a Corte, em uma entrevista veiculada pela TV Justiça na semana passada. A demissão de Freitas foi interpretada, nos bastidores, como uma tentativa de achar um “bode expiatório” para acalmar a opinião pública.

O ofício com o pedido de vacinas, enviado à Fiocruz no dia 30 de novembro, é assinado pelo diretor-geral do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho. A Fiocruz já negou a solicitação do Supremo. Ainda falta manifestação do Instituto Butantan, também acionado pela Corte.

MINISTROS QUESTIONAM
À frente da Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, Freitas fazia o acompanhamento médico dos ministros. Além de ter acesso às fichas dos magistrados, ele indicava, nas viagens oficiais dos integrantes da Corte, hospitais de referência para urgências de saúde.

– O médico Marco Polo Dias Freitas é um dos mais renomados clínicos do Brasil. Conduziu com absoluta maestria a adaptação da rotina do STF no início da pandemia. A responsabilidade pela infeliz requisição de vacinas não pode ser atribuída a um profissional da saúde – disse o ministro Gilmar Mendes ao Estadão.

Marco Aurélio Mello, por sua vez, apontou que o ofício foi assinado pelo diretor-geral, que só atua externamente “em nome do tribunal com o conhecimento do presidente”.

– A exoneração implica o afastamento de um bom profissional. Fica no ar a pergunta: A corda estourou no lado mais fraco? A presidência, de viva voz, na TV Justiça, ante o noticiado pela imprensa, defendeu o ato. Arrependimento ante as críticas? Não sei não!

Ricardo Lewandowski também saiu em defesa de Freitas, por quem disse ter “grande admiração”.

– [Eu] O considero um excelente médico e competente gestor, que goza da admiração e [do] carinho de todos os integrantes do STF – disse.

Freitas ocupava o cargo de secretário desde o período em que o ministro presidiu a Corte, em 2014.

Procurado, Fux não quis comentar a demissão de Freitas nem as críticas dos colegas.

*Estadão

Leia também1 Fura-filas? STF pede à Fiocruz para 'reservar' doses de vacina
2 STF também pediu reserva de sete mil doses da CoronaVac
3 Fux defende pedido do STF para reservar vacinas para ministros
4 Fux exonera funcionário do STF que pediu reserva de vacina
5 STF: Rede quer obrigar governo a divulgar compra de vacinas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.