Leia também:
X Governo Bolsonaro parece uma “biruta desgovernada”, diz Moro

Cúpula da CPI da Covid se reúne com Fux e “cobra” inquérito

Presidente do Supremo Tribunal Federal irá avaliar a solicitação para "verificar se há procedimento possível"

Pleno.News - 10/02/2022 16h06 | atualizado em 10/02/2022 16h34

Cúpula da CPI da Covid Foto: Agência Senado/Edilson Rodrigues

Os senadores Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL), que conduziram os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, reuniram-se com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, nesta quarta-feira (9), para pedir a conversão das petições encaminhadas pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, em inquéritos.

Eles também solicitaram o levantamento do sigilo das ações e o depoimento de todos os indiciados no relatório final.

Em novembro do ano passado, Aras encaminhou ao Supremo 10 petições com demandas por providências em relação ao relatório da CPI. As ações, no entanto, foram prontamente classificadas como sigilosas e distribuídas a seis ministros diferentes. Deste modo, nem mesmo os senadores envolvidos na investigação puderam ter acesso aos desdobramentos do processo.

– Só ontem [terça-feira] tivemos acesso a uma das petições, porque são sigilosas. Ora, essa investigação se fez à luz do dia, com o acompanhamento diuturno da sociedade. Fizemos um parecer a muitas mãos. As provas são públicas. Caberia à PGR três encaminhamentos: dar continuidade à investigação, denunciar ou arquivar. O que fez o douto procurador? Uma solicitação sigilosa ao Supremo, que não seguiu nenhum desses caminhos – disse o relator da CPI, Renan Calheiros.

No encontro, os senadores apresentaram uma nova petição para tornar os 10 pedidos anteriores, encaminhados por Aras, inquéritos públicos que deem prosseguimento às apurações da CPI.

Após o encontro, a Secretaria de Comunicação do Supremo declarou em nota que Fux vai analisar as demandas para “verificar se há procedimento possível por parte da Presidência ou se apenas cabe atuação dos relatores dos casos”.

Segundo o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) solicitaram o detalhamento das provas reunidas contra cada um dos indiciados pelo relatório da comissão.

O senador avaliou que o destrinchamento do material probatório deveria ser feito pelos investigadores, mas garantiu que uma equipe técnica do Senado apresentará o documento nos moldes solicitados.

– Todas as provas foram encaminhadas pela CPI à PGR. Foi encaminhado um drive com 10 TB de provas. Mais do que isso, [ele] foi encaminhado com a individualização de cada indiciado. Nós entregamos o prato, a comida e os talheres. Agora é para colocar a comida na boca. Mas não tem problema, não tem ninguém mais interessado [nisso] do que nós […] Por enquanto, quero acreditar na boa vontade do Ministério Público e da Procuradoria-Geral da República – disse Randolfe.

A movimentação dos senadores ocorre na semana em que a entrega do relatório ao procurador-geral da República completou 100 dias. Fora as petições, Aras não adotou o procedimento padrão de denúncia ou arquivamento dos pedidos de indiciamento contra os denunciados.

– Nós imaginávamos que difícil seria fazer a investigação pela CPI. Difícil está sendo dar encaminhamento ao que nós investigamos e o Brasil tem conhecimento – disse o presidente do colegiado, Omar Aziz.

Em nota divulgada na segunda-feira (8), a Procuradoria-Geral da República (PGR) negou ter engavetado as investigações sob sua responsabilidade.

– Os resultados da CPI seguem o devido processo legal, com o Ministério Público atuando juntamente com cada um dos relatores, ministros do STF, cujas diligências investigativas vêm sendo realizadas nos termos da lei – diz a nota.

Tribunal de Haia
O Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, recebeu nesta quarta-feira o relatório final da CPI da Covid. O documento acusa o presidente Jair Bolsonaro de nove crimes no âmbito da pandemia, incluindo epidemia com resultado de morte e crime contra a humanidade.

O Tribunal de Haia atua quando as cortes nacionais não conseguem ou não desejam realizar processos criminais. Sendo assim, a tramitação de ações nesse foro internacional geralmente se justifica como um último recurso, e a corte só atua se o processo não estiver sendo julgado por outro Estado.

*AE

Leia também1 Barroso na defensiva: 'Nunca fui a Cuba e não sou dado a orgias'
2 Bolsonaro critica “canalhas” que querem cercear a liberdade
3 "O Brasil não é a casa da sogra", diz Barroso sobre caso Telegram
4 Barroso fala em regulamentação das redes sociais durante live
5 STF forma maioria por validade de federações partidárias

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.