Leia também:
X Lacombe avalia CPI da Covid: “Tóxica e antidemocrática”

CPI pretende quebrar o sigilo telefônico de Carlos Bolsonaro

De acordo com o jornal O Globo, senadores querem votar o requerimento nesta terça-feira

Pleno.News - 07/06/2021 16h28 | atualizado em 07/06/2021 17h32

Vereador Carlos Bolsonaro Foto: Reprodução

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid deve votar, nesta terça-feira (8), novos requerimentos de convocações e quebras de sigilos telefônicos. E um dos alvos da cúpula da CPI, em parceria com a oposição, é o vereador Carlos Bolsonaro, do Rio de Janeiro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o jornal O Globo, além de Carlos Bolsonaro, outros que devem ter requerimentos de quebra de sigilo telefônico colocado em votação são o ex-ministro Eduardo Pazuello, o ex-chanceler Ernesto Araújo, o ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, e suas empresas, e o assessor especial da Presidência, Filipe Martins.

Ainda há pedidos de quebra de sigilo da secretária Mayra Pinheiro, do Ministério da Saúde, do marqueteiro Marcos Eraldo Arnoud, o Markinhos Show, e do empresário Carlos Wizard.

Todas as solicitações foram feitas pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

O veículo de imprensa informou ainda que os senadores querem aprovar a convocação de supostos integrantes de um gabinete paralelo, como o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) e o médico Paolo Zanotto.

Além dos pedidos de quebra de sigilo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, será ouvido mais uma vez nesta terça (8).

Leia também1 Bolsonaro sobre Manaus: 'Queria saber cadê Aziz e Eduardo Braga'
2 Advogado liga pandemia à ida de Bolsonaro ao Templo de Salomão
3 Fátima Bernardes diz ter sofrido reação à vacina AstraZeneca
4 CPI votará convite a Osmar Terra e convocação de Ludhmila Hajjar
5 Presidente da CPI conversou com Lula e Doria na última semana

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.