Leia também:
X Girão: “CPI trata depoentes com agressividade e hostilidade”

CPI omite data e usa dados de 2017 para questionar depoente

Diretor da Prevent Senior criticou atitude dos senadores

Pierre Borges - 22/09/2021 16h44 | atualizado em 22/09/2021 17h42

Senadores Renan Calheiros e Ranolfe Rodrigues
Senadores Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues Foto: Agência Senado/Pedro França

Os senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid questionaram, na sessão desta quarta-feira (22), o diretor-executivo da operadora de Saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, sobre mensagens de 2017, mas não citaram que as mensagens eram antigas.

Os senadores tentavam provar que a empresa pressionava os médicos a aplicar o tratamento precoce, sob risco, inclusive, de demissão. Diante das negativas do depoente, exibiram uma série de mensagens veiculadas em um grupo de WhatsApp da empresa.

Os parlamentares exibiram a seguinte mensagem: “Estamos aqui para trabalhar, não bater meta; então, vamos fazer o que deve ser feito. Todos somos avaliados diariamente pelo nosso trabalho. Aqueles que insistirem em não preencher o perfil vão perder espaço na empresa. Obrigado e conto com a colaboração de vocês”.

Outra mensagem mencionada dizia: “Atenção, plantonistas, agilizem atendimento! Não deixem o tempo estourar!”

O senador Humberto Costa citou as mensagens para tentar estabelecer uma relação entre elas e a acusação.

– Aí um deles [plantonistas] diz: “Concordo plenamente, mas ameaças deixam o clima meio antiético… De qualquer forma, vamos, sim, redobrar os esforços”. Ou seja, havia uma pressão – disse o senador.

Imediatamente, o diretor da empresa apontou que as mensagens eram de 2017, mas foi ignorado pelos senadores.

– Por favor. Tá, elas [as mensagens] são de 2017; elas não são desse momento – apelou Batista.

Tentando mudar de assunto, o senador voltou a pressionar o depoente.

– Quantos profissionais foram demitidos por se recusarem a aplicar esse tratamento precoce? – questionou, logo antes de Batista responder que nenhum funcionário foi demitido por este motivo.

Dados de 2017 também foram utilizados pelos senadores Randolfe Rodrigues e Renan Calheiros.

Leia também1 Girão: "CPI trata depoentes com agressividade e hostilidade"
2 Discurso de Bolsonaro na ONU traz a "visão do nosso governo”
3 Biden anuncia doação de mais 500 milhões de doses de vacina
4 Passaporte sanitário já é exigido em pelo menos 211 cidades
5 Mourão: Rosário deu 'aloprada' na CPI após ser alvo de deboche

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.