Leia também:
X Professor preso por Moraes já defendeu “pau” em Feliciano

CPI mira Bolsonaro e vai propor alterar Lei do Impeachment

Sugestão será apresentada junto ao relatório final da Comissão

Pleno.News - 14/09/2021 15h39 | atualizado em 14/09/2021 16h41

Renan Calheiros, relator da CPI da Covid Foto: Agência Senado/Jefferson Rudy

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou, nesta terça-feira (14), que vai propor no seu relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid mudanças na Lei do Impeachment. O parlamentar pretende entregar o parecer até a semana que vem, no dia 23 ou 24.

A intenção da cúpula da comissão é possibilitar que as conclusões da investigação da CPI provoquem a abertura de um processo de afastamento do presidente Jair Bolsonaro na Câmara. A mudança na lei, no entanto, depende de aprovação no Congresso.

– Essa Comissão Parlamentar de Inquérito é uma oportunidade única para que a gente possa fazer uma revisão nessa legislação como um todo e até mesmo na Lei do Impeachment, que é de 1950. Muitos artigos já foram revogados e, portanto, ela precisa ser atualizada na linha de estender a garantia jurídica e deixar absolutamente claro a sua tramitação – afirmou Renan antes do início da reunião da CPI desta terça.

Ele não detalhou quais mudanças deve propor.

Atualmente, há 131 pedidos de impeachment na mesa do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), mas o início do processo depende exclusivamente de uma decisão dele. Não existe condição ou prazo determinado para que o presidente da Casa dê andamento a processos de impedimento.

Aliado de Bolsonaro, Lira tem dito a interlocutores que não há clima para abertura de um processo nem votos suficientes na Câmara para aprová-lo. A avaliação é de que, sem o apoio formal de partidos de centro, o pedido de impeachment não tem chance de prosperar.

Atualmente, as siglas de oposição reúnem 132 deputados. Mesmo que haja uma adesão de todas as legendas consideradas independentes e não ocorra dissidência nas bancadas – cenário considerado improvável -, o número não chegaria aos 342 votos necessários para que a cassação seja aprovada.

PROPOSTA DE MUDAR A LEI DE IMPEACHMENT
O Estadão apurou que a proposta de mudar a Lei de Impeachment foi incluída por Renan após ele consultar integrantes do grupo Prerrogativas, que reúne advogados, professores e juristas.

A sugestão foi alterar a legislação para retirar o “poder absoluto” do presidente da Câmara, estabelecendo prazos para que ele se manifeste sobre os pedidos de impeachment e, posteriormente, se ele os mandar arquivar, apresente-os ao plenário, que poderá decidir pela continuidade.

Integrantes do grupo sugeriram também uma medida semelhante em relação ao procurador-geral da República. Caso a decisão do procurador-geral seja de não abrir uma denúncia após pedidos de indiciamento da CPI, a decisão teria de ser submetida a subprocuradores ou que ações de partidos sejam levadas adiante.

Após a aprovação do relatório final da CPI, prevista para os dias 29 ou 30, o documento deverá ser encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) e até a tribunais internacionais, enquadrando Bolsonaro em uma série de crimes que teriam sido cometidos no enfrentamento da Covid.

Em paralelo à consulta feita por Calheiros, um grupo de juristas coordenado pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior finalizou um parecer de mais de 200 páginas sobre os possíveis crimes cometidos no enfrentamento à pandemia. A conclusão dos técnicos será avaliada pelo relator.

– A gente recebeu o relatório da primeira comissão de juristas. Várias autoridades são enquadradas (dentre elas, o presidente Bolsonaro) em crimes comuns, de responsabilidade, e crimes contra a humanidade. Eles [juristas] colaboram, nessa construção, a adequação entre os fatos comprovados e o Direito – afirmou o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), suplente na comissão.

Os crimes comuns estão relacionados ao descumprimento de medidas de saúde pública com resultado morte. Entre as autoridades que devem ser enquadradas em algum tipo de crime, além de Bolsonaro, estão: o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (general e atual secretário de Estudos Estratégicos na Presidência da República) e o ex-secretário-executivo da pasta Elcio Franco (coronel e atual assessor especial da Casa Civil).

*AE

Leia também1 Lira cria grupo para votar a legalização de jogos de azar
2 Em jantar com Temer, Marinho imita Bolsonaro e vídeo viraliza
3 Senado vota ‘Lei Paulo Gustavo’ que visa liberar bilhões à cultura
4 Fux diz que STF só interfere na política quando é provocado
5 Facebook tem 'lista VIP' de quem não precisa seguir regras da rede

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.