Leia também:
X Senadores definem calendário de depoimentos na CPI. Confira!

CPI da Pandemia nega pedido para convocação de Carlos Gabas

Gabas teve nome envolvido em polêmica compra de 300 respiradores, feita pelo Consórcio Nordeste, que nunca foram entregues

Paulo Moura - 27/05/2021 10h01 | atualizado em 27/05/2021 10h16

Carlos Gabas Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Durante a sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia na quarta-feira (26), o presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), negou o pedido do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) para votar a convocação do secretário-executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Gabas, e do ex-presidente do órgão, o governador Rui Costa, da Bahia.

– O seu pedido está indeferido […] Não precisa me explicar mais nada não. Está indeferido – disse Aziz.

Revoltado com a negativa do comando da comissão, Girão questionou no Twitter os motivos para que, apesar dos indícios de fraude, as convocações relacionadas ao Consórcio Nordeste e de prefeitos não fossem aprovadas.

– Após um mês de trabalho, CPI ainda resiste à ampla e independente apuração. Indícios de fraudes graves são totalmente ignorados, e hoje negaram a convocação do Consórcio Nordeste e de prefeitos. Queremos respostas e não vamos desistir de buscar toda verdade – escreveu Eduardo Girão no Twitter.

Gabas foi ministro da Previdência Social nos governos dos ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff. Atualmente ele comanda os processos de compras do colegiado de governadores nordestinos e já se envolveu em aquisições polêmicas durante sua gestão.

Foi por Gabas que passou, por exemplo, a primeira malsucedida compra de 300 respiradores, feita pelo consórcio ainda no ano passado. Pelo negócio, a entidade pagou R$ 48,7 milhões a HempCare Pharma, mas não recebeu os equipamentos nem o dinheiro de volta.

O nome de Carlos Gabas também apareceu na Operação Custo Brasil, de 2016, que investiga o pagamento de 100 milhões em propinas a funcionários públicos e agentes políticos do Ministério do Planejamento, entre 2010 e 2015.

Há também uma investigação no Ministério Público Federal sobre a “doação” de 30 respiradores à prefeitura de Araraquara, como “propina” na compra destes 300 respiradores do Consórcio Nordeste a HempCare.

Leia também1 Senadores definem calendário de depoimentos na CPI. Confira!
2 Câmara aprova MP que elevou o salário mínimo para R$ 1.100
3 Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, morre aos 84 anos
4 Papa faz piada com brasileiros: "Muita cachaça e pouca oração"
5 Irmã de Bolsonaro recebe alta após se recuperar da Covid-19

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.