Leia também:
X Bolsonaro diz que STF cometeu crime e acusa Corte de fake news

CPI da Covid volta dia 3 e avalia pedir prisão de dono da Precisa

Cúpula da CPI definiu um roteiro que abrange depoimentos, pedido de prisão e afastamento de servidores do Ministério da Saúde.

Pleno.News - 29/07/2021 12h50 | atualizado em 29/07/2021 13h25

Cúpula da CPI da Covid Foto: Agência Senado/Edilson Rodrigues

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid retoma os trabalhos no próximo dia 3, para avançar na investigação de um suposto esquema de corrupção na compra de vacinas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Em reunião na noite de quarta-feira (28), a cúpula da CPI definiu um roteiro que abrange depoimentos, pedido de prisão e afastamento de servidores do Ministério da Saúde.

De acordo com o calendário definido, na próxima terça-feira (3) será ouvido o reverendo Amilton Gomes de Paula, fundador da associação Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah). Ele é apontado por ter intermediado informalmente a negociação de vacinas sem garantia de entregas.

Na quarta-feira (4), a intenção é ouvir Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, empresa que assinou um contrato com o Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin, um dos principais focos de investigação. Os senadores apontam indícios de superfaturamento e corrupção na negociação.

Na quinta-feira (5), a CPI quer ouvir Túlio Silveira, advogado da Precisa.

O depoimento de Francisco Maximiano estava inicialmente previsto para ocorrer antes do recesso parlamentar, mas foi adiado após decisão do Supremo Tribunal Federal, que garantiu ao empresário o direito de ficar em silêncio na CPI. A presença dele na semana que vem é incerta. A comissão recebeu a informação de que ele viajou para a Índia e avalia pedir a prisão preventiva de Maximiano.

– Evadir-se do país quando tem uma investigação em curso é crime, e nós não titubearemos em pedir a prisão preventiva [dele] – afirmou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), em áudio enviado à imprensa na manhã desta quinta-feira (29).

O senador anunciou ainda que a comissão vai votar um requerimento para bloquear os bens da Precisa Medicamentos e da Global Gestão em Saúde, sócia da companhia, no valor do contrato assinado com o Ministério da Saúde, ou seja, R$ 1,6 bilhão. O contrato foi suspenso após a CPI iniciar a investigação. A fabricante da Covaxin, Bharat Biotech, anunciou no último dia 23 a rescisão do acordo com a Precisa.

Outra ação da CPI após a volta do recesso será pedir o afastamento de agentes públicos acusados de obstruir as investigações. Servidores do Ministério da Saúde estão no foco, mas nenhum nome foi anunciado ainda.

– Nada impedirá o curso das investigações – disse Randolfe.

Após ter o prazo prorrogado, a CPI deve conduzir a apuração até o dia 5 de novembro.

*AE

Leia também1 Bolsonaro diz que STF cometeu crime e acusa Corte de fake news
2 CPI da Covid vai votar pedido de afastamento de Mayra Pinheiro
3 Tarcísio: "Maior leilão rodoviário do Brasil foi aprovado pelo TCU"
4 É obrigação saber que Bolsonaro é o governo do povo, diz cientista político
5 Pedidos de seguro-desemprego caem 21% no primeiro semestre

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.