Leia também:
X Mourão sobre impeachment de ministros do STF: “Acho difícil”

CPI da Covid recua e suspende acareação entre Onyx e Miranda

Senadores consideram que sessão seria "pouco produtiva" e decidiram priorizar o depoimento do advogado da Precisa Medicamentos

Thamirys Andrade - 17/08/2021 11h42 | atualizado em 17/08/2021 12h56

Cúpula da CPI da Covid, formada pelos senadores Renan Calheiros, Randolfe Rodrigues e Omar Aziz Foto: Agência Senado/Jefferson Rudy

Em reunião durante a noite de segunda-feira (16), a CPI da Covid-19 decidiu suspender a acareação entre o deputado federal Luis Miranda (DEM) e o ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, que estava prevista para ocorrer nesta quarta-feira (18). A cúpula da comissão concluiu que a sessão seria pouco produtiva e poderia ser explorada pelo governo para atacar a CPI e a oposição.

– Concluímos que não traria nenhuma contribuição real, concreta, para a CPI a acareação dos dois. Temos versões distintas, de um e de outro, em relação à chamada invoice, o recibo. Se é somente essa a informação que precisa ser confrontada, pode ser confrontada de forma documental – declarou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede).

Em vez da acareação, os senadores decidiram priorizar o depoimento do advogado da Precisa Medicamentos, Túlio Silveira. A empresa intermediou as negociações suspeitas entre o laboratório Bharat Biotech, desenvolvedor da vacina Covaxin, e o governo brasileiro.

A suspensão da acareação já era cogitada desde o fim de semana e, de acordo com Randolfe, não deve ser remarcada.

Leia também1 Edson Fachin julgará pedidos de liberdade de Roberto Jefferson
2 Senadores acertam data para o encerramento da CPI da Covid
3 Fontenelle é intimada a depor em inquérito contra preconceito
4 Nova campanha: TSE defende que urna eletrônica é segura
5 Lula diz que só conversará com as Forças Armadas se for eleito

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.