Leia também:
X ‘A princípio, vamos esclarecer tudo na CPI’, diz Wilson Witzel

CPI aprova quebra de sigilo fiscal e telefônico de Carlos Wizard

Empresário e diversos outros executivos tiveram os sigilos telefônico, telemático, fiscal e bancário quebrados

Paulo Moura - 16/06/2021 10h41 | atualizado em 16/06/2021 11h09

Empresário Carlos Wizard Martins Foto: Divulgação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, também chamada de CPI da Covid, aprovou nesta quarta-feira (16) a quebra dos sigilos telefônico, telemático, fiscal e bancário dos empresários Carlos Wizard, Francisco Emerson Maximiano, José Alves Filho, além de Renato e Renata Spallici.

Wizard é acusado por senadores oposicionistas de ser um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo”, que teria como objetivo ajudar o presidente Jair Bolsonaro a defender medicamentos como a hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina no combate à Covid-19.

Francisco Maximiano é sócio da Precisa Medicamentos, representante brasileira do laboratório indiano Bharat Biotech – que desenvolveu a vacina Covaxin, encomendada pelo governo Jair Bolsonaro em março e aprovada, com restrições, pela Anvisa no início deste mês.

José Alves Filho é sócio-administrador do laboratório Vitamedic, em Anápolis (GO), responsável pela fabricação da ivermectina no Brasil. Já Renato e Renata Spallici são, respectivamente, presidente e diretora da empresa Apsen Farmacêutica, laboratório que produz a hidroxicloroquina no país.

Leia também1 Casos globais de Covid-19 caíram 12% na última semana, diz OMS
2 Defesa de Bolsonaro pede acesso a celular de advogados de Adélio
3 Anvisa autoriza importação da Sputnik V por mais sete estados
4 Em meio à "tensão" entre EUA e Rússia, Biden e Putin se reúnem
5 Huck diz que substituirá Faustão e nega que seria candidato

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.