Leia também:
X Ribeirão Preto: Câmara aprova alteração do Dia das Mães

Conselho de Medicina chama governadores de traidores

Protesto é contra tentativa de autorizar médicos brasileiros formados no exterior a trabalhar no Brasil

Pleno.News - 01/05/2020 17h34 | atualizado em 01/05/2020 18h32

Mauro Ribeiro criticou governadores por trazer médicos formados fora do Brasil Foto: Reprodução

O presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), Mauro Ribeiro, publicou vídeo no qual chama de “atitude covarde” a solicitação de governadores do Nordeste para que o governo federal autorize a atuação de médicos brasileiros formados no exterior, mesmo sem diplomas revalidados no país, no combate à Covid-19.

– Vejo essa situação como uma situação de traição desses governadores, com argumentos falaciosos, com argumentos mentirosos, se aproveitando do momento de maior ameaça da história da nossa sociedade em relação a uma doença terrível, altamente transmissível, e de uma letalidade muito rápida para aprovarem algo totalmente desprezível – afirma Mauro Ribeiro.

Segundo o presidente da entidade, hoje existem 54 mil acadêmicos de medicina e 3 mil residentes cadastrados que se voluntariaram para prestar atendimento sob supervisão durante a pandemia. Por isso, afirma, não há necessidade de buscar esses brasileiros no exterior sem que eles mostrem nenhum tipo de conhecimento médico.

Ribeiro ainda afirma que existem boas faculdades em países vizinhos como Paraguai e Bolívia, mas que há faculdades em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Mato Grosso do Sul, e em Ciudad del Leste, na fronteira de Foz do Iguaçu, que são de péssima qualidade.

– Não existe a menor condição de um processo de ensino e aprendizagem na complexidade que exige a medicina. São graduandos formados para exportação no Brasil – declarou.

O presidente do CFM também acusa o consórcio de governadores de se valer de argumentação mentirosa para “criar um casuísmo” e amparar “pessoas incompetentes que não conseguem passar no Revalida [exame nacional exigido para que possam exercer a profissão no Brasil]”.

– O que esses governadores tinham que fazer, ao invés de ficar fazendo política barata, baseada em argumentos mentirosos, era garantir para os médicos, para os enfermeiros, para os técnicos de enfermagem, para os fisioterapeutas, para o pessoal da limpeza, para todos que nesse momento estão nos hospitais enfrentando essa pandemia, garantir EPIs que deem o mínimo de segurança para que esses profissionais possam atuar – disse.

*Folhapress

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.