Leia também:
X Prisão de presidente do Detran cessa serviços e causa revolta

Conheça mais de Magno Malta, possível futuro ministro

Senador faz parte de equipe de transição de governo e é cotado para ministério

Camille Dornelles - 09/11/2018 12h16 | atualizado em 09/11/2018 15h54

O senador Magno Malta (PR) é cotado para assumir um ministério no governo de Jair Bolsonaro. As primeiras informações sobre o assunto são de que Malta vá para o Ministério de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (anteriormente pensado como Ministério da Família).

O senador do Espírito Santo é figura presente no núcleo do presidente eleito. Nesta terça-feira (6), Bolsonaro confirmou, durante ida a Brasília, que “não poderia prescindir um governo sem Magno Malta”.

Ele integrou sua base de campanha e, hoje, a equipe de transição do governo. Foi ele quem fez a oração logo após o primeiro discurso presidencial de Bolsonaro, em um momento histórico. Além disso, foi o primeiro nome cotado para a vice-presidência.

CARREIRA POLÍTICA
Magno Malta iniciou a carreira política em 1993, como vereador da cidade capixaba de Cachoeiro de Itapemirim. Em 1995, quando foi eleito deputado estadual pelo Espírito Santo. Ele ficou no cargo até 1999, quando foi eleito deputado federal. No Senado, entrou em 2003 e cumpre seu segundo mandato.

Alguns dos feitos mais notórios de Malta no Senado foram seus trabalhos na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia e na CPI dos Maus-Tratos. Além disso, foi um dos parlamentares que mais defendeu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 2016 e a prisão do senador Aécio Neves (PSDB) em 2017.

Sua atuação política se concentra nas áreas de defesa de crianças e adolescentes e combate à corrupção. Não foi reeleito nas votações deste ano. Em setembro, uma reportagem do jornal estrangeiro The Intercept acusou o senador de envolvimento com o ex-deputado estadual José Tasso de Andrade, condenado por corrupção. A Justiça, no entanto, não se manifestou sobre irregularidades.

VIDA PESSOAL
Apesar de despontar pelo Espírito Santo, Magno Malta nasceu em Macarani, Bahia. Além de senador, Malta, de 61 anos, é pastor evangélico e cantor. Ele é casado com a cantora gospel e deputada federal eleita Lauriete desde 2013. Os dois congregam na Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), de Silas Malafaia.

A esposa é acompanhante fiel em diversos atos de campanha do marido. Nesta quinta-feira (8), ela defendeu que ele deve ser ministro por sua dedicação ao presidente eleito.

– Magno Malta deve sim ser ministro, não por suas convicções religiosas ou pela amizade com o presidente, mas pela dedicação que mostrou em relação às suas bandeiras, às causas que defende com muita coragem em benefício do povo. Isso ninguém pode negar. Uma injustiça fecharmos os olhos ou fingirmos que não vimos quando ele, sem se cansar, rodou esse país para ajudar a eleger Jair Bolsonaro. Quando pregamos que o país precisa de gente corajosa estamos falando de quê? De pessoas que irão comandar por detrás da mesa ou que façam o dever com as próprias mãos se precisar? Esse é o perfil de Magno Malta que eu sei, ele vai atrás. A vida pessoal dele não está em jogo e não diz respeito a ninguém, estamos falando do seu trabalho e é isso o que importa para o Brasil – escreveu em seu Instagram.

Leia também1 Lobão defende Magno Malta no governo de Bolsonaro
2 Bolsonaro desiste de criar o Ministério da Família
3 Magno Malta garante ter vaga no governo de Bolsonaro

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.