Leia também:
X Moraes decide manter suspensas as redes sociais de Zambelli

Com mais de 1 mês de protestos, multidão não recua dos QGs

Acampamento em Brasília chegou a dobrar de tamanho

Monique Mello - 05/12/2022 18h02 | atualizado em 05/12/2022 18h36

Manifestantes se posicionam em frente a QG do Exército em Brasília Foto: EFE/ Joédson Alves

Com um mês completo no último dia 30, as manifestações em protesto contra o processo eleitoral seguem firmes. Em diversas cidades do Brasil, pessoas estão acampadas em frente a quartéis-generais do Exército, sendo o principal acampamento em Brasília, no Distrito Federal. Este última, inclusive, está ainda maior do que há 36 dias.

As barracas na capital federal ocupavam metade da Praça dos Cristais na primeira semana. Agora, o acampamento dobrou de tamanho. Manifestantes exibem diversos cartazes com frases como “O Brasil foi roubado”, “Justiça corrompida” e “Não me censure” em português e inglês. Entre as ações dos manifestantes estão proferir palavras de ordem e cantar louvores à Pátria.

Neste fim de semana, os protestos ganharam o reforço de um grupo de indígenas do povo Xavante. O cacique Tsereré Xavante defende que o pleito foi alvo de fraude, e disse que “arrancaria” o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) “pelo pescoço”.

– O bandido não pode ocupar o cargo da Presidência. O lugar do bandido é na cadeia. Cadê os generais? Cadê ministro da Defesa? Que juraram para defender o povo brasileiro, a pátria querida amada Brasil – defendeu o cacique.

Leia também1 Ao lado de Michelle, Bolsonaro chora em evento militar no DF
2 Oswaldo Eustáquio vai a QG do Exército: 'Bolsonaro ama a gente'
3 Manifestantes ocupam shopping em Brasília contra Lula
4 Indígenas invadem aeroporto de Brasília em protesto contra Lula
5 221 militares da reserva emitem nota sobre atos nos quartéis

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.