Leia também:
X Cristão, motoboy vítima de racismo perdoa agressor

Cloroquina: Bolsonaro publica relato de médicos perseguidos

Presidente afirmou que o medicamento é usado "conforme recomendações do Conselho Federal de Medicina"

Henrique Gimenes - 09/08/2020 21h40 | atualizado em 09/08/2020 22h11

Jair Bolsonaro com caixas de hidroxicloroquina Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro compartilhou, neste domingo (9), o relato de uma deputada estadual de Pernambuco que denunciou uma perseguição aos médicos que recomendam a hidroxicloroquina contra a Covid-19. A informação foi dada por Clarissa Tércio (PSC-PE), que revelou que deputados do Psol denunciaram os profissionais da saúde ao Ministério Público e ao Conselho Regional de Medicina.

De acordo com a parlamentar, os médicos estão atendendo pacientes com Covid-19 de forma gratuita e receitando a hidroxicloroquina.

– Os médicos que estão sendo perseguidos, além de atenderem gratuitamente à população carente, eles também doam a medicação para os pacientes e acompanham a sua evolução, ficando conhecidos por todos como amigos de verdade. O grupo de médicos foi denunciado ao Ministério Público e ao Cremepe por agir em prol da população. Que crime esses profissionais cometeram? – questionou a parlamentar.

O vídeo foi compartilhado pelo presidente em suas redes sociais.

– A hidroxicloroquina é usada conforme recomendações do Conselho Federal de Medicina. A decisão é do médico, e não pode ser proibida por decreto, seja de quem for. A deputada estadual Clarissa Tércio (PSC-PE), faz relato daqueles que criticam, mas não oferecem alternativas – escreveu.

Leia também1 Bolsonaro detona a Globo por "festejar" 100 mil mortes
2 Internet se "revolta" e levanta a campanha #CNNLixo
3 Ministro da Educação revela o que usou para vencer a Covid
4 Ministro da Educação se cura da Covid-19: 'Gratidão a Deus'
5 "A hidroxicloroquina tem dado certo", afirma Bolsonaro

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.