Leia também:
X Witzel pede que condenação seja anulada para voltar ao governo

Clima entre PT e PSB fica ruim e ameaça chapa Lula-Alckmin

A discordância diz respeito a um desacerto entre quem será o candidato ao governo em São Paulo

Paulo Moura - 22/12/2021 09h15 | atualizado em 22/12/2021 09h40

Alckmin ao lado de Lula Foto: Divulgação Lula/Ricardo Stuckert

Apesar do jantar cheio de sorrisos na noite do último domingo (19) entre o ex-presidente Lula e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, a relação entre o PT e o PSB, possível novo partido de Alckmin, não tem parecido tão amigável, e as rusgas vêm sendo expostas até publicamente. O motivo da discordância em questão reside em uma candidatura específica: ao governo de São Paulo.

De acordo com o colunista Guilherme Amado, do site Metrópoles, Lula e Carlos Siqueira, presidente do PSB, tiveram uma “conversa ruim” nesta terça-feira (21), em que a principal reclamação da liderança pessebista foi a falta de abertura do PT em apresentar contrapartidas estaduais para a aliança nacional, mais especificamente em São Paulo.

O ex-governador Márcio França, pré-candidato ao governo de São Paulo e articulador da ideia de levar Geraldo Alckmin para o PSB, tornando-o vice de Lula, tem se mostrado insatisfeito e já chegou a, inclusive, demonstrar publicamente sua irritação com a falta de abertura de Fernando Haddad (PT) em retirar sua pré-candidatura ao governo paulista.

Segundo Amado, interlocutores de França já apontaram que o ex-governador quer que ao menos seja estabelecido um critério para decidir qual dos dois será o candidato ao governo de São Paulo. Um possível critério poderia ser que, num determinado momento (abril), seguisse em frente a candidatura que estivesse mais à frente nas pesquisas.

Na terça-feira, França deu uma alfinetada sobre o caso e tuitou prints, comparando os votos que ele e Fernando Haddad tiveram em 2018, em São Paulo. Naquele ano, França teve 10 milhões de votos, perdendo por pouco para João Doria. Já Fernando Haddad, candidato a presidente, teve, como candidato a presidente, 7,2 milhões de votos no estado.

– Outubro de 2018! Estado de SP: os mesmos eleitores! Mais de 3 milhões de votos a mais! – escreveu França.

Marcio França expôs insatisfação com inflexibilidade do PT com candidatura em SP Foto: Reprodução/Twitter

Leia também1 Witzel pede que condenação seja anulada para voltar ao governo
2 Orçamento de 2022 é aprovado com "fundão" de R$ 4,9 bilhões
3 Anvisa pede mais dados para aprovar CoronaVac em crianças
4 TSE libera, e Marcelo Ramos sai do PL após entrada de Bolsonaro
5 Mamãe Falei é condenado por chamar advogados de "gado"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.