Leia também:
X Suzane tenta proibir livro sobre sua vida, e Justiça nega

Caso Marielle: PT aciona STF e acusa Bolsonaro de obstrução

Bolsonaro tomou posse de áudios da portaria de seu condomínio

Gabriela Doria - 04/11/2019 22h03

Presidente Jair Bolsonaro é alvo de ação do PT no STF Foto: PR/Clauber Cleber Caetano

Líderes da bancada do PT apresentarão no Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por suposta obstrução da Justiça no caso Marielle Franco. De acordo com o partido, Bolsonaro cometeu obstrução ao tomar posse dos arquivos da portaria do condomínio Vivendas da Barra, onde tem residência, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

No ofício, o PT argumenta que Bolsonaro “de modo autoritário e com uso da força (do seu cargo) se apropria de provas que podem, em tese, incriminar a si ou seus familiares”.

A ação também exige que o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e o ministro da Justiça, Sergio Moro, também sejam investigados por uma possível interferência no caso.

No último sábado, o presidente Jair Bolsonaro havia declarado que estava em posso dos áudio da cabine do porteiro de seu condomínio.

– Nós pegamos antes que fosse adulterado, pegamos lá toda a memória da secretária eletrônica, que é guardada há mais de ano. A voz não é minha – afirmou.

Ainda nesta segunda, Bolsonaro voltou a justificar a atitude.

– O que eu fiz foi filmar a secretária eletrônica com a respectiva voz de quem atendeu o telefone. Só isso, mais nada. Não peguei, não fiz backup, não fiz nada. E a memória da secretária eletrônica está com a Polícia Civil há muito tempo. Ninguém quer adulterar nada, não – garantiu Bolsonaro.

Leia também1 Diretor da Globo exalta equipe por matéria contra Bolsonaro
2 Polícia quer ouvir novamente porteiro que citou Bolsonaro
3 Bolsonaro critica acusação de obstrução por acesso a áudios

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.