Leia também:
X Escola promove “baile funk” com crianças, e pais denunciam

Caetano Veloso critica Ciro e diz sentir afeto por Lula

"Lula é uma figura na história do Brasil que eu não consigo não admirar", afirmou o músico

Thamirys Andrade - 24/10/2021 15h22

*EXCLUSIVO* AgNews - Show Ofertório - Caetano Veloso e seus filhos Moreno, Zeca e Tom - UnimedHall - SP
Caetano Veloso apoiou Ciro Gomes nas eleições de 2018 Foto: AgNews / Francisco Cepeda

Caetano Veloso revelou, nesta quinta-feira (21), sentir-se incomodado com as críticas de Ciro Gomes (PDT) ao ex-presidente Lula (PT). O cantor, que apoiou o pedetista em 2018, disse não conseguir deixar de “admirar” e sentir “afeto” pelo petista.

– Não me sinto à vontade, não me sinto muito bem. Não me parece que venha a ser tão eficaz como ele e talvez João Santana pensem. E depois não me agrada a agressividade contra Lula, porque Lula é uma figura na história do Brasil que eu não consigo não admirar e não sentir afeto – declarou ao jornal Folha de S. Paulo.

Caetano afirmou ver “beleza” na “manifestação da maioria do povo brasileiro de querer eleger” Lula. Ele, no entanto, prefere que o Brasil busque algo novo na política.

– Isso não quer dizer que a melhor coisa que poderá acontecer com o Brasil será Lula voltar à presidência. Não sei. Há um pouco de volta ao passado, gostaria que o Brasil desse passos pra frente. O próprio Lula, o próprio PT podia ter outra atitude. Mas o tom do Ciro nesse último período a mim não me agradou – reforçou o músico.

Ele admite ter “divergências estratégicas” com o ex-presidente.

– Eu tinha divergências estratégicas com Lula, às vezes sutilmente políticas, mas não tão nitidamente porque Lula era politicamente estratégico, mas estrategicamente ele não era tão bom político.

Caetano também avaliou a ascensão do conservadorismo ao redor do mundo.

– Está havendo no mundo inteiro o fenômeno da extrema direita chegar ao poder em vários países. O que eu vejo nisso, também, é uma demonstração de uma certa fragilidade do conservadorismo. Porque eles eram a maioria silenciosa. Não podem mais ser silenciosos, não querem mais e não podem mais.

Ele não crê, no entanto, em uma vitória conservadora que seja “estável”.

– É perigoso, muita turbulência tem acontecido e acontecerá, mas uma vitória de uma atitude conservadora no mundo que seja estável não é possível. Isso é o momento em que a maioria silenciosa deixou de ser silenciosa, precisa gritar e é um tanto histérica demais. Pode causar muitos horrores – finalizou.

Leia também1 Por causa do PT, Eduardo Cunha se recusa a comprar o iPhone 13
2 Eunício Oliveira diz que "Lula é 100 vezes maior que o PT"
3 Bolsonaro sobre combustíveis: "Não vamos interferir no preço"
4 Podemos já prepara cerimônia para marcar a filiação de Moro
5 Pacheco diz que decidirá sobre candidatura 'no momento certo'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.