Leia também:
X Artistas criticam o governo e movimentos cristãos no STF

Braga e Renan Calheiros são intimados pela Lava Jato

Senadores terão que prestar depoimento sobre R$ 40 milhões repassados ao MDB

Rafael Ramos - 05/11/2019 11h18

Eduardo Braga e Renan Calheiros estão na mira da Lava Jato Arte: Pleno.News

Os senadores Eduardo Braga e Renan Calheiros, ambos do MDB, foram intimados a depor pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Eles terão que explicar os supostos repasses de cerca de R$ 40 milhões da J&F Investimentos a políticos do partido durante a campanha eleitoral de 2014.

A intimação se refere a operação feita pela Polícia Federal, que mira supostos operados de repasse. Na manhã desta terça-feira (5), a PF cumpriu mandados de busca e apreensão e sequestro de bens.

A defesa de Renan Calheiros afirmou que o senador apenas recebeu “uma simples intimação para prestar esclarecimentos”. Já os advogados de Eduardo Braga garantem que ele “sempre se colocou à disposição para colaborar com qualquer investigação”.

O ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rêgo, também foi intimado para prestar depoimento. Por meio de nota, a assessoria afirmou que Rêgo “é o maior interessado em esclarecer os fatos e, portanto, atenderá a solicitação do depoimento, colaborando com a Justiça, como sempre tem feito”.

De acordo com as delações da J&F e de Sérgio Machado, da Transpetro, os valores repassados aos senadores do MDB foram um pedido do PT. Além de Calheiros, Braga e Rêgo, as doações também foram feitas a Jader Barbalho, Romero Jucá, Eunício Oliveira, Edison Lobão, Valdir Raupp, Roberto Requião, Guido Mantega e Hélder Barbalho.

Leia também1 Artistas criticam o governo e movimentos cristãos no STF
2 Bolsonaro não obstruiu a Justiça segundo especialistas
3 ONG que seria laranja do PCC e CV pede saída de Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.