Leia também:
X Prefeito do Rio, Eduardo Paes declara voto em Lula no 1º turno

Bomba de fezes: Suspeito segue preso após decisão da Justiça

Juíza escreveu na decisão que "atos dessa natureza mostram-se graves"

Gabriel Mansur - 09/07/2022 16h41 | atualizado em 11/07/2022 13h18

 

Andre Stefano Foto: Reprodução/Polícia Civil

Suspeito de jogar uma “bomba” de fezes em um ato pró-Lula na Cinelândia, André Stefano Dimitriu Alves de Britto, seguirá preso devido a uma decisão da Justiça do Rio de Janeiro tomada neste sábado (9). O caso aconteceu nesta quinta-feira (7), no centro da capital carioca.

A juíza Ariadne Villela Lopes escreveu na decisão que “atos dessa natureza mostram-se graves” e ressaltou o risco à integridade física da multidão no ato pró-Lula.

– O Brasil encontra-se em período pré-eleitoral de eleições gerais, momento em que os ânimos podem se acirrar, mostrando-se necessário o desestímulo de práticas de natureza violenta, não apenas para proteção das pessoas, mas também para garantia de manifestações livres de pensamento, que podem restar intimidadas por práticas violentas – escreveu Lopes.

O homem foi preso em flagrante logo após arremessar o explosivo contra a multidão que estava no evento político. Sua prisão, agora, foi convertida em preventiva, ou seja, sem prazo para determinar.

Na tarde desta sexta (8), a Polícia Civil do Rio de Janeiro também ressaltou o grande risco que o episódio representa para as eleições e pediu a quebra de sigilo telemático do acusado. Os investigadores querem descobrir se o fato foi isolado ou se houve um mandante.

Leia também1 Tarcísio de Freitas louva na Marcha para Jesus: "Sensacional"
2 Prefeito do Rio, Eduardo Paes declara voto em Lula no 1º turno
3 Bolsonaro e Tarcísio se reúnem com apoiadores em pizzaria
4 Com camisa do MTST, ex-Globo Chico Pinheiro vai a "Lula in Rio"
5 Defesa vai reforçar exposição do TSE e fragilidade das urnas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.