Leia também:
X Show de Mercury em evento com Lula vira alvo de sindicância

Bolsonaro veta lei que repassaria R$ 3 bilhões anuais para cultura

Presidente justificou que a medida é "inconstitucional e contraria ao interesse público"

Pleno.News - 05/05/2022 09h26 | atualizado em 05/05/2022 09h44

Presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Isac Nóbrega

O presidente Jair Bolsonaro decidiu vetar, de forma integral, o texto da chamada “nova Lei Aldir Blanc”, que previa um repasse anual de R$ 3 bilhões a governos estaduais e municipais, durante um período de cinco anos, para que essas esferas financiassem iniciativas culturais. O Senado havia aprovado o projeto de lei no dia 23 de março deste ano.

Ao vetar a medida, Bolsonaro apontou que o projeto é “inconstitucional e contraria ao interesse público”. Há um mês, o líder já havia vetado outro projeto de lei ligado ao setor cultural, a chamada Lei Paulo Gustavo. A medida em questão tinha como proposta um repasse de R$ 3,8 bilhões para enfrentar os efeitos da pandemia da Covid-19 sobre o setor de cultura.

Essa foi a segunda lei de auxílio ao setor cultural a receber o nome do músico Aldir Blanc, que morreu em 4 de maio de 2020 por complicações da Covid-19. A primeira destinou R$ 3 bilhões emergenciais a iniciativas de cultura.

O texto em vigor obrigou, em janeiro deste ano, estados e municípios a devolverem os recursos não utilizados do programa e estabeleceu o fim de 2022 como prazo final para que os entes prestem contas para demonstrar como o dinheiro foi aplicado.

*Com informações AE

Leia também1 Bivar oficializa saída do União Brasil de grupo da terceira via
2 Show de Mercury em evento com Lula vira alvo de sindicância
3 Auxílio Brasil: Senado aprova MP que garante mínimo de R$ 400
4 Diretora é afastada por festa com músicas de contexto sexual
5 Silveira devolve tornozeleira e não instala novo equipamento

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.