Leia também:
X Alunas denunciam professor por comentários sexuais e até beijos

Bolsonaro vai se filiar ao Partido da Mulher Brasileira, diz site

Após a migração, presidente assumiria o controle da legenda e mudaria o nome da sigla para concorrer à reeleição em 2022

Thamirys Andrade - 08/03/2021 11h32 | atualizado em 08/03/2021 12h29

Presidente Jair Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019 Foto: PR/Alan Santos

Visando à disputa às eleições de 2022, o presidente Jair Bolsonaro vai se filiar ao Partido da Mulher Brasileira (PMB), segundo informações do colunista Nolasco, do portal R7. Após a migração, o chefe de Estado assumiria o controle do partido, mudaria o nome da legenda e a repaginaria a fim de prepará-la para a campanha pela reeleição.

Atualmente, o PMB inclui três deputados estaduais: Diogo Senior, no Amapá, Maria Bethrose Fontenele Araújo, no Ceará, e Neto Loureiro, em Roraima. Se a chegada do presidente da República se concretizar, a legenda receberá também inúmeros aliados de Bolsonaro, abrigando dissidentes do PSL (Partido Social Liberal) e de outras siglas.

Jair Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019, após divergências com o presidente do partido, Luciano Bivar (PE). A fim de evitar outro episódio semelhante, o chefe do Executivo busca uma legenda em que assumirá o controle como presidente ou presidente de honra.

O mandatário cogitou a criação de uma nova sigla, o Aliança pelo Brasil, mas devido a entraves burocráticos que o atrapalhariam de começar a campanha pela reeleição, ele precisa optar por uma já existente.

Leia também1 Só Lula poderia 'superar' Bolsonaro em 2022, diz pesquisa
2 "Temos que olhar pra frente e aprovar reformas", diz Guedes
3 Senador Major Olímpio segue na UTI, informa assessoria
4 Ex-vice-presidente, Marco Maciel é diagnosticado com Covid-19
5 Gilmar vai julgar pedidos contra a Lei de Segurança Nacional

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.