Leia também:
X MP de Contas pede reprovação de gastos de Doria na pandemia

Bolsonaro oficializa lei que cria auxílio-inclusão e amplia o BPC

Novo texto resolve um impasse histórico em torno do BPC

Pleno.News - 23/06/2021 08h51 | atualizado em 23/06/2021 09h10

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, na terça-feira (22), uma lei que amplia o alcance do Benefício de Prestação Continuada (BPC), ajuda de um salário mínimo (R$ 1,1 mil) paga a idosos e a pessoas com deficiência de baixa renda. A medida entra em vigor em 2022.

O texto também cria o auxílio-inclusão, que será pago ao beneficiário do BPC que conseguir emprego com carteira assinada e terá valor de meio salário mínimo (R$ 550). A ajuda funcionará como um incentivo à formalização desse público e entrará em vigor em outubro de 2021. Para o governo, esse novo benefício vai gerar economia de recursos.

– Além de fortalecer o BPC, a lei sancionada abre uma porta para emancipação do cidadão, fazendo com que ele dependa cada vez menos do Estado e seja incluído no mercado de trabalho – disse o ministro da Cidadania, João Roma, em comunicado divulgado em suas redes sociais.

O novo texto resolve um impasse histórico em torno do BPC, hoje o benefício mais judicializado da União. Uma decisão do próprio Supremo Tribunal Federal (STF) já havia firmado o entendimento de que a renda era insuficiente como critério de mensuração da vulnerabilidade do cidadão. O projeto aprovado também permite, até o fim de 2021, a revisão dos beneficiários.

*AE

Leia também1 MP de Contas pede reprovação de gastos de Doria na pandemia
2 Globo é acusada de crime pela Receita, e denúncia vai ao MPF
3 China usa prisões secretas para torturar suspeitos, diz relatório
4 Entenda processo que concedeu regime semiaberto a Lázaro
5 Thiago Gagliasso cobra Schmütz sobre cachê de evento virtual

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.