Leia também:
X Polícia apura relação de Lázaro com empresários e políticos

Bolsonaro insinua perseguição por autoridades chantageadas

No Twitter, ele sugeriu que chantagem pode envolver vídeo com menores

Pierre Borges - 05/07/2021 12h51 | atualizado em 05/07/2021 13h37

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro publicou, na noite deste domingo (4), uma série de mensagens “enigmáticas” em seu Twitter, sugerindo que ele estaria sendo perseguido por algum tipo de autoridade chantageada.

O presidente iniciou pedindo que se suponha que uma autoridade foi “filmada numa cena com menores (ou com pessoas do mesmo sexo, ou com traficantes)” e que alguém, a quem Bolsonaro atribuiu o codinome de “Daniel”, passou a “fazer chantagem, ameaçando divulgar esse vídeo”.

Bolsonaro prosseguiu com um trecho do livro A Vida Secreta de Fidel, descrevendo a plantação deste tipo de material e disse que “isso está sendo utilizado no Brasil”, importado pela esquerda, e afirmou que, em Cuba, “autoridades tomam decisões simplesmente absurdas” para atender às exigências de “Daniel”, o chantageador.

O presidente ainda explicou que, quando os chantagistas não encontram nada para acusar seu “alvo principal”, começam a buscar acusações contra seus filhos, parentes e amigos, sem deixar claro sobre quem estava falando.

E Bolsonaro finaliza citando inquéritos, acusações absurdas, quebra de sigilos, prisões arbitrárias e mandados de buscas e apreensões. Todas essas medidas foram tomadas recentemente pelo STF ou pela CPI da Covid contra aliados dele.

Leia também1 Polícia apura relação de Lázaro com empresários e políticos
2 Eduardo Paes rebate Bolsonaro e defende eficácia da Coronavac
3 PF mira grupo por desvios de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas
4 Jeff Bezos deixa comando da Amazon após 27 anos
5 Anvisa propõe que grávidas não tomem Janssen e AstraZeneca

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.