Leia também:
X Internautas criticam convite de Rodrigo Maia a Felipe Neto

Bolsonaro fala que “se o povo não quiser”, não haverá CPMF

Ele confirmou que Paulo Guedes analisa a possibilidade de implantação

Camille Dornelles - 02/08/2020 15h33 | atualizado em 02/08/2020 16h05

Bolsonaro passeia de moto em Brasília Foto: EFE/Andre Borges

O presidente Jair Bolsonaro confirmou neste domingo (2) que deu aval para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estude uma substituição tributária nos moldes da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras).

– O que eu falei com o Paulo Guedes, você fala CPMF, né, pode ser o imposto que você quiser, tem que ver por outro lado o que vai deixar de existir. Se vai diminuir a tabela de Imposto de Renda, o percentual ou aumentar a isenção ou desonerar a folha de pagamentos, se vai também acabar com o IPI – declarou.

A resposta do presidente foi dada a um grupo de simpatizantes e repórteres dentro de uma padaria em Brasília, onde Bolsonaro parou durante um passeio de moto.

Bolsonaro ainda disse ter cobrado de seu ministro que esclareça que não se trata de um novo imposto, mas de uma substituição tributária.

– Então, falei com ele, quando for apresentar a vocês, botar os dois lados da balança. Se o povo não quiser, […] se não quiser mexer, deixa como está – afirmou.

Esta é a primeira vez que Bolsonaro conversa rapidamente com os jornalistas em Brasília. Desde o agravamento da crise política, o presidente está mais recluso e conversa apenas com apoiadores nos jardins do Palácio da Alvorada, longe das câmeras e microfones.

Leia também1 Reforma tributária: Governo entrega 1ª fase ao Congresso
2 Bolsonaro diz que proposta de Guedes "não é CPMF"
3 Guedes diz ter "missão" com o Brasil: "Só saio abatido à bala"
4 Guedes "detona" o PSDB em comentário sobre o Plano Real
5 Bolsonaro fala sobre impostos: "CPMF está demonizada"

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.