Leia também:
X Por ‘falta de capacidade mental’, PDT quer interditar Bolsonaro

Bolsonaro: “Estou namorando um partido onde eu seria dono”

Presidente afirmou que já busca opção para o caso do Aliança não conseguir ser formalizado em tempo hábil

Pleno.News - 08/03/2021 13h25 | atualizado em 08/03/2021 13h42

Presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro disse estar “namorando” outro partido político, para ser “dono” da legenda. Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (8), o presidente não revelou qual é a sigla, mas indicou que se filiará em breve.

Bolsonaro procura um novo partido para disputar a reeleição em 2022. De acordo com o portal R7, o presidente fechou com o Partido da Mulher Brasileira (PMB), que mudaria de nome para abrigar o chefe do Planalto e aliados.

– Estou namorando outro partido, tá? Onde eu seria dono dele como alternativa se não sair o Aliança – disse o presidente.

Além do presidente, o novo partido escolhido por Bolsonaro também deve abrigar seus aliados. Entre eles, seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro, que migraram recentemente para o Republicanos, mas o presidente da legenda, Marcos Pereira (SP), disse em entrevista ao Estadão que eles estão de passagem.

– Não é isso de você ‘tá namorando um caso e, se dar errado, vou namorar aquele outro. Não é isso não. Mas, na política, tem que ficar ligado – afirmou Bolsonaro ao citar a burocracia exigida para criar uma nova legenda. Ele já havia dito que definiria isto até este mês.

O PMB foi criado em 2015 e chegou a reunir 20 deputados federais. A sigla, no entanto, foi usada como trampolim para parlamentares burlarem a lei de fidelidade partidária (que impede a troca de sigla durante o mandato) e de mudarem de novo para outras legendas. Atualmente, o PMB não possui nenhum representante no Congresso Nacional.

Bolsonaro busca uma nova sigla desde novembro de 2019, quando deixou o PSL, partido pelo qual se elegeu, após se desentender com o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE). O motivo da ruptura foi justamente o controle do cofre da sigla e de diretórios locais.

*Estadão

Leia também1 Por 'falta de capacidade mental', PDT quer interditar Bolsonaro
2 "Meu Exército não vai para a rua obrigar o povo a ficar em casa"
3 Mourão sobre pesquisa: “Lula não pode ser candidato, né?”
4 Bolsonaro vai se filiar ao Partido da Mulher Brasileira, diz site
5 Lockdown:"A fome pode matar mais que a covid", diz deputada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.