Leia também:
X Desembargador dá 24h para Goiânia ‘apagar’ faixa LGBT

Bolsonaro esteve em 84 reuniões sobre pandemia, diz governo

Dado consta em documento entregue à CPI da Covid

Pleno.News - 26/05/2021 21h44 | atualizado em 27/05/2021 10h44

Bolsonaro sério irritado
Presidente Jair Bolsonaro Foto: Flickr/Palácio do Planalto

Documentos da Presidência da República entregues à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado mostram que o presidente Bolsonaro se reuniu 84 vezes para tratar da pandemia do novo coronavírus, desde que o assunto passou a fazer parte das preocupações do Executivo, em fevereiro do último ano.

Em média, o presidente teve cerca de uma reunião por semana, ou uma reunião a cada 6,55 dias. A primeira delas aconteceu em 2 de fevereiro de 2020, quando o vírus começava a se espalhar pelo mundo, cerca de três semanas antes de desembarcar no Brasil.

Entretanto, grande parte das reuniões se concentrou no segundo trimestre do ano passado, no período de abril a junho de 2020. Foram 34 reuniões realizadas, cerca de 40% do total. Só em abril, mês com mais encontros, foram realizados 21 com a participação de Bolsonaro para discutir o assunto.

Em março, por exemplo, em três dias o presidente teve cinco encontros para discutir, por videoconferência, sobre “governadores e pedidos de apoio para enfrentamento da crise”.

A planilha do Palácio do Planalto acusa a primeira reunião para tratar de imunizantes em 8 de setembro: “36ª Reunião do Conselho de Governo: Vacinação e outros”, registra o documento. Participaram do encontro Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, o então chanceler Ernesto Araújo, bem como outros nomes da Esplanada dos Ministérios.

No quarto trimestre de 2020, foram feitas cinco reuniões. O período marca as véspera das festas de fim de ano, início do recrudescimento da doença e da disponibilidade de vacinas. Apenas três reuniões foram feitas em outubro; houve duas em dezembro e nenhuma em novembro.

Em comparação, as primeiras doses da Coronavac, vacina testada e produzida pelo Instituto Butantan com parceiros chineses, para aplicação em massa, chegaram ao país em 19 de novembro. O anúncio de compra pelo governo federal saiu em janeiro, após aprovação de eficácia pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Já no início deste ano, no pico da segunda onda e do colapso do sistema de saúde em Manaus, os encontros voltaram a acontecer com mais frequência. No primeiro trimestre deste ano, foram 17 reuniões.

*Estadão

Leia também1 Após não ser convocado, Silas Malafaia chama Aziz de arregão
2 Juíza arquiva ação contra Noblat e Aroeira por charge ofensiva
3 Rio: Governador Cláudio Castro filia-se ao Partido Liberal (PL)
4 AGU fará ação contra restrições de governadores e prefeitos
5 Flávio Bolsonaro se desfilia do partido Republicanos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.