Leia também:
X Pesquisa traz distância de Lula sobre Bolsonaro em “queda livre”

Bolsonaro diz a seguidor que questionou sigilos: ‘Em 100 anos saberá’

Presidente respondeu ao seguidor em sua conta do Twitter

Henrique Gimenes - 13/04/2022 17h59 | atualizado em 14/04/2022 09h52

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Isac Nóbrega/PR

Nesta quarta-feira (13), o presidente Jair Bolsonaro utilizou as redes sociais para ironizar um seguidor que perguntou o motivo de seu governo impor longos sigilos a “assuntos espinhosos ou polêmicos”. Em resposta no Twitter, Bolsonaro disse que ele saberá a razão “em 100 anos”.

O comentário foi feito após a notícia desta quarta-feira sobre um sigilo imposto pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) a encontros que Bolsonaro teve com dois pastores suspeitos de terem influência sobre o Ministério da Educação (MEC).

Em resposta ao jornal O Globo, o GSI disse que as informações sobre os encontros teriam um caráter sigiloso e poderiam comprometer a segurança do presidente. O pedido do jornal foi feito por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

A suposta influência de pastores no MEC surgiu após áudios divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo mostrarem o então ministro da Educação, Milton Ribeiro, falando sobre o tema. A gravação trouxe o que seriam dois pastores, Gilmar Santos e Arilton Moura, influenciando o repasse de verbas do MEC. Além disso, Ribeiro ainda disse, no áudio, que a medida era um pedido do presidente Jair Bolsonaro.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais no dia 24 de março, Bolsonaro chegou a explicar a situação. Assista:

Leia também1 José Serra assina requerimento para instaurar CPI do MEC
2 Contra CPI do MEC, senadores querem investigar obras do PT
3 Alvaro Dias: "CPI do MEC seria encenação e acabaria em pizza"
4 Planalto está desesperado com uma CPI do MEC, diz Randolfe
5 Randolfe Rodrigues espera ter 29 assinaturas para CPI do MEC

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.