Leia também:
X Lira: ‘Oposição procura polêmica e fantasma onde não existe’

Bolsonaro dispara sobre Moraes: “Quer intimidar quem?”

Presidente interpretou prazo de 48 horas dado pelo ministro como provocação

Monique Mello - 17/07/2022 20h39 | atualizado em 18/07/2022 12h35

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, neste domingo (17), que o prazo dado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para que ele explicasse supostos discursos de ódio é uma provocação do magistrado. Na sexta-feira (15), Moraes deu 48 horas para que o presidente se manifestasse a respeito de uma representação movida por partidos de oposição.

– Cara, sexta-feira, dar 48 horas, quer provocar, não quer diálogo, não quer solução – disse ele em entrevista na parte externa do Palácio da Alvorada.

– Como tem um vídeo dele falando “existe gabinete do ódio”… queria que ele apontasse uma matéria que porventura tenha saído do gabinete do ódio – complementou.

Bolsonaro disse que Moraes age por meio de ameaças.

– Parece que o espírito de Fidel Castro encarnou em alguém aqui no Brasil. Um magistrado não pode agir sob ameaça, tem que agir de acordo com os autos, e ali ele faz seu julgamento, seus questionamentos – afirmou.

O presidente sugeriu ainda que o ministro do STF, que assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em agosto, não busca a conciliação entre os Poderes.

– Ele quer intimidar quem? O que ele está buscando? Ele tá buscando a paz, a tranquilidade, a harmonia entre os poderes? – questionou.

*AE

Leia também1 Lira: 'Oposição procura polêmica e fantasma onde não existe'
2 "Manifesto que sou contra", diz Bolsonaro sobre prazo de Moraes
3 Moraes suspende conta de deputado e manda PF intimá-lo
4 Moraes prorroga por 90 dias o inquérito das milícias digitais
5 "Militar que opina sobre política deve ser punido", diz Zé Dirceu

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.