Leia também:
X ‘Nos encontraremos novamente’, dizem filhas de Ludmila Ferber

Bolsonaro celebra relatoria de Mendonça em pautas de gênero

Ministro do STF herdou processos do gabinete de Marco Aurélio de Mello, que se aposentou da Corte no ano passado

Pleno.News - 27/01/2022 16h10 | atualizado em 27/01/2022 16h54

André Mendonça e Jair Bolsonaro
O ministro André Mendonça, do STF, e o presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Carolina Antunes

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comemorou, nesta quinta-feira (26), que pautas relacionadas à chamada “ideologia de gênero” tenham ficado sob a relatoria do ministro André Mendonça, indicado por ele ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Em conversa com apoiadores, o presidente reiterou estar satisfeito por honrar o compromisso de conduzir alguém “terrivelmente evangélico” para compor a Corte e disse já ter em mente o perfil dos próximos indicados, caso seja reeleito.

– Não quero saber da vida particular de quem quer que seja, mas, na escola, não dá – afirmou o chefe do Executivo.

Bolsonaro disse acreditar que, atualmente, a maior parte da comunidade LGBT não concorda com as pautas de gênero.

Evangélico, Mendonça herdou a relatoria de uma ação sobre o ensino de questões de gênero em escolas. Movida pelo PSOL em 2018, a ação pede a derrubada de leis dos municípios de Garanhuns e Petrolina, em Pernambuco, que vedam a abordagem de informações sobre gênero nas políticas de ensino.

Bolsonaro destacou que o próximo presidente eleito terá direito a indicar dois ministros ao STF em 2023, referindo-se às vagas que serão abertas com a aposentadoria dos ministros Ricardo Lewandowski e Rosa Weber, ambas previstas para o ano que vem.

Perguntado por um apoiador se já tem os nomes “na ponta da língua”, o presidente deu a entender que, se for reeleito, vai indicar perfis parecidos com o de Mendonça.

Em dezembro, o plenário do STF abriu julgamento sobre o uso da “linguagem neutra” em instituições de ensino e em editais de concursos públicos. A Corte analisa se referenda a decisão do ministro Edson Fachin de suspender uma lei de Rondônia que proibia o uso de palavras adaptadas para excluir a demarcação de gênero – “elu”, em vez de “ele” ou “ela”, por exemplo – no estado

À época, Bolsonaro afirmou que essa forma de se comunicar “estraga a garotada”.

– Cada um faz o que bem entender com o seu corpo. Mas por que a linguagem neutra dos gays? O que soma para a gente em uma redação? Estimula a molecada a se interessar por essa coisa para o futuro. Vai estragando a garotada – disse.

Como mostrou o Estadão, Mendonça terá papel determinante em julgamentos sensíveis à agenda conservadora defendida por Bolsonaro. Um deles é o que analisa se detentas transexuais e travestis têm direito de optar por cumprir a pena em presídios masculinos ou femininos. Essas resoluções representam uma “prova de fogo” para o ministro, que durante sua sabatina no Senado prometeu priorizar o entendimento constitucional sobre o religioso em sua atuação na Corte.

– Na vida, a Bíblia. No Supremo, a Constituição – afirmou ele.

As relatorias de processos no STF são definidas por sorteio. Um ministro do Supremo Tribunal Federal não pode escolher os processos que vai julgar. Mendonça “herdou” o processo das questões de gênero nas escolas e das detentas trans do gabinete do ministro Marco Aurélio de Mello, que se aposentou da Corte em julho do ano passado, abrindo a vaga para o indicado de Bolsonaro.

*AE

Leia também1 Secretário do Min. da Saúde tem 5 dias para explicar nota técnica
2 Posse de Fachin e Moraes no TSE irá ocorrer de forma virtual
3 Roberto Jefferson deixa presídio para cumprir prisão domiciliar
4 STF: Moraes manda Roberto Jefferson para prisão domiciliar
5 STF suspende parte do decreto de Bolsonaro sobre cavernas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.