Leia também:
X Processo contra Dallagnol no Ministério Público é arquivado

Bolsonaro atende eleitores e abre caixa-preta da Amazônia

Presidente divulgou dados sobre a região

Gabriela Doria - 27/08/2019 18h11

Presidente Jair Bolsonaro se reuniu com governadores da Amazônia Legal Foto: PR/Marcos Corrêa

Em reunião com governadores do Norte e do Nordeste, para debater soluções para as queimadas na Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro abriu o que chamou de “caixa-preta da Amazônia”. De acordo com os dados divulgados pelo presidente, a demarcação de territórios indígenas e quilombolas estão “inviabilizando” o agronegócio.

– Os senhores sabem quantos territórios quilombolas só na Amazônia Legal estão em trâmite final de demarcação? 936, só quilombola. No tocante a reservas indígenas, na fase final são 54 novas áreas só na Amazônia Legal. E também, para alguns meses, mais 314 áreas indígenas só na Amazônia Legal – afirmou o presidente durante a reunião.

Bolsonaro também alertou para uma possível crise no agronegócio.

– Só com isso que mostrei para os senhores –quilombola, reservas indígenas, proteção ambiental–, o nosso agronegócio vai ficar simplesmente inviabilizado. Acabou. E, se acabar o agronegócio, acabou a nossa economia. Nós vamos ficar aqui como naquela casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão – declarou.

A divulgação dos dados mobilizou as redes sociais, que estão exigindo transparência na gestão do território da Amazônia, sobretudo o trabalho relacionado às ONGs presentes na região. Por esse motivo, a hashtag #CaixaPretaDaAmazonia ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter nesta terça-feira. Veja o que os usuários disseram sobre o assunto.

Leia também1 Globo apoia Macron e internet reage: 'Lixo, traidora da pátria'
2 Bolsonaro faz reunião e debate queimadas na Amazônia
3 Bolsonaro diz que Globo apoia interesse estrangeiro no Brasil

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.