Leia também:
X Moraes nega transferir Roberto Jefferson para hospital

Barroso: “Não adianta apelar para quartéis ou extraterrestres”

Ministro criticou as manifestações em palestra para estudantes

Monique Mello - 25/11/2022 17h49 | atualizado em 25/11/2022 18h52

Luís Roberto Barroso Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, comentou sobre as manifestações em frente a QGs do Exército ao redor do país. Em palestra a um grupo de estudantes na sede do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), o ministro disse que não adianta “apelar para quartéis e extraterrestres”.

– Eles têm repetido que Supremo é o povo. E é isso mesmo. Soberania popular significa a supremacia da vontade do povo, que se manifesta nas eleições. (…) O resultado tem que ser respeitado. Não adianta apelar para quartéis e não adianta apelar para seres extraterrestres. Isso é antidemocrático – afirmou nesta sexta-feira (25).

Barroso fez referência ao episódio em que manifestantes em Porto Alegre (RS) se reuniram em círculo e apontaram celulares com as lanternas ligadas para cima. As pessoas faziam uma sinalização e pediam: “Olhe para nós, general”. O grupo estava reunido no Centro Histórico da Capital, no entorno do Comando Militar do Sul, no último domingo (20). A área tem sido local de mobilização desde o fim das eleições.

Após a repercussão das imagens, internautas zombaram dizendo que os manifestantes estavam pedindo socorro para seres extraterrestres.

Manifestantes em Porto Alegre (RS) Foto: Reprodução/Vídeo redes sociais

Leia também1 FOTOS: Brasileiros ignoram a Copa e se mantêm no quartel
2 Diretor-geral da PRF vira réu por improbidade administrativa
3 Magistrado repudia ex-colega que defendeu prisão de Moraes
4 Polícia utiliza escavadeira para desbloquear o acesso a Viracopos
5 Carla Zambelli participa de atos na frente do QG do Exército

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.