Leia também:
X Governadores acionarão o STF contra convocações pela CPI

Barroso é o relator da ação de Bolsonaro contra lockdowns

Ministro foi sorteado para decidir sobre o pedido apresentado pela AGU ao Supremo Tribunal Federal

Henrique Gimenes - 28/05/2021 17h48 | atualizado em 28/05/2021 18h25

Ministro Luís Roberto Barroso, do STF Foto: STF/Fellipe Sampaio

O ministro Luís Roberto Barroso foi sorteado como relator da ação apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro para suspender medidas de restrição impostas por governadores de três estados. A ação foi apresentada pela Advocacia-Geral da União (AGU) nesta quinta-feira (27).

Na ação, o governo quer derrubar decretos em três estados, Pernambuco, Paraná e Rio Grande do Norte. Para a AGU, os textos estão em “em descompasso com a Constituição”, já que governos estaduais não podem determinar, unilateralmente, “toques de recolher” e “lockdown”.

O documento é assinado pelo advogado-geral da União, André Mendonça, que disse que a “decretação de medidas de fundo sanitário com trágicas consequências para os direitos das pessoas somente pode ser viabilizada por meio de instrumentos institucionais compatíveis com a democracia e o Estado de Direito”.

Sobre a ação, a AGU apontou que o intuito “é garantir a coexistência de direitos e garantias fundamentais do cidadão, como as liberdades de ir e vir, os direitos ao trabalho e à subsistência, em conjunto com os direitos à vida e à saúde de todo cidadão, mediante a aplicação dos princípios constitucionais da legalidade, da proporcionalidade, da democracia e do Estado de Direito”.

Leia também1 Jair Bolsonaro aciona STF contra lockdown em três estados
2 Governadores acionarão o STF contra convocações pela CPI
3 Bolsonaro aumenta pena para crimes virtuais em até 4 anos
4 Além de Toffoli, delação anulada de Cabral acusava Lulinha e Paes
5 STF forma maioria e derruba delação premiada de Cabral

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.