Leia também:
X STF defende compra de porta-chaves de R$ 177 mil, diz site

Barroso diz que redes liberaram “traficantes de notícias falsas”

Ministro ainda criticou manifestações de 7 de setembro do ano passado, classificada por ele como um "atraso"

Paulo Moura - 11/01/2022 11h34 | atualizado em 11/01/2022 11h49

Ministro Luís Roberto Barroso Foto: STF/Carlos Moura

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luís Roberto Barroso declarou, em um artigo, que o avanço das mídias sociais permitiu “o aparecimento de verdadeiras milícias digitais, terroristas verbais e traficantes de notícias falsas que disseminam o ódio, mentiras e teorias conspiratórias”.

– A verdade é que a revolução digital e a ascensão das mídias sociais permitiram o aparecimento de verdadeiras milícias digitais, terroristas verbais que disseminam o ódio, mentiras, teorias conspiratórias e ataques às pessoas e à democracia. Alguns se apresentam como jornalistas, mas são traficantes de notícias falsas – declarou.

Na publicação, feita no blog IberICONnect, da Revista Internacional de Direito Constitucional, Barroso ainda criticou indiretamente o presidente Jair Bolsonaro ao dizer que atos protagonizados pelo presidente, como as manifestações do dia 7 de setembro do ano passado e o pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, representaram um “atraso” que “rondou nossas vidas”.

– A democracia brasileira viveu momentos graves nos últimos tempos. Alguns deles: comício na porta do quartel-general do Exército, com pedidos de intervenção das Forças Armadas no processo político […]; ameaças de invasão e fechamento do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e de descumprimento de decisões judiciais – afirmou.

O ministro também afirmou que o país viveu “uma aposta no atraso” ao ver “a uma absurda campanha que pregava a volta ao voto impresso, com contagem pública manual” e reclamou do que chamou de “esforço de trazer descrédito para o processo político democrático”.

– De novo, uma aposta no atraso. Uma volta ao tempo de fraudes, em que urnas desapareciam, outras apareciam com mais votos do que eleitores, e mapas eram manipulados em favor de gente desonesta. Felizmente, o Congresso Nacional, com altivez, rejeitou a mudança para pior, que trazia a suspeita de intenções sombrias de desrespeito ao resultado eleitoral – completou Barroso.

Leia também1 PGR é contra ação que pede vacinação infantil obrigatória
2 Bolsonaro diz não admitir ser banido das redes na campanha
3 Mãe mata filhos de 6 e 3 anos a facadas e tenta suicídio
4 Alckmin se preocupa com fala de Lula sobre reforma trabalhista
5 Austrália investiga se Djokovic teria mentido em formulário

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.