Leia também:
X CPI: Servidora diz que irmãos Miranda não falaram a verdade

Arthur Lira inclui privatização dos Correios na pauta da Câmara

Discussão no Plenário deverá ser ainda este mês

Monique Mello - 06/07/2021 12h26 | atualizado em 06/07/2021 13h18

Possível privatização dos Correios está cada vez mais próxima Foto: Agência Brasil

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o relatório do projeto de lei da privatização dos Correios deve estar pronto nesta terça-feira (6). Entre a segunda quinzena de julho e primeira semana de agosto, a matéria deverá estar em Plenário para que seja discutida entre os parlamentares.

De acordo com Lira, a Câmara tem até o final do mês que vem para aprovar o texto, conforme o prazo máximo programado pelo BNDES.

– O relatório deve estar pronto hoje. O relator vai apresentar aos líderes da base. Depois, vai receber sugestões, modificações e, a partir daí, andará em todas as lideranças para que todos os parlamentares tenham conhecimento amplo da matéria – afirmou o presidente da Câmara na manhã desta terça-feira (6).

Lira ainda comentou sobre a reforma tributária, cuja segunda fase foi enviada ao Congresso pelo governo federal em junho, com as propostas de reformulação das regras do Imposto de Renda e a criação de um imposto sobre dividendos.

Inclusos na pauta também estão requerimentos de urgência ao projeto da regularização fundiária e à proposta de regulamentação dos “supersalários” de funcionários públicos, além de uma proposta para taxação da propriedade de aeronaves e embarcações.

 

Leia também1 Lira reforça que não vê fato novo que justifique impeachment
2 "Deixa ele falar!", diz Bolsonaro sobre convocação de Barros à CPI
3 Senadores pedem que Supremo obrigue Pacheco a prorrogar CPI
4 Saiba como participar do Congresso de Gestão da Pequena Empresa
5 Renan Calheiros quer ex-cunhada de Bolsonaro na CPI

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.