Leia também:
X Mourão defende Pazuello e diz que ministro tem resiliência

Após recusa, Ludhmila reafirma que cloroquina não tem eficácia

Médica também se posicionou a favor das medidas de lockdown para conter a pandemia

Paulo Moura - 15/03/2021 13h43 | atualizado em 15/03/2021 14h31

Ludhmila voltou a se posicionar contra medicamentos como a cloroquina e a ivermectina Foto: Reprodução

Após anunciar oficialmente que não assumirá o posto de ministra da Saúde, a cardiologista Ludhmila Hajjar voltou a dizer que medicamentos como a cloroquina, azitromicina, ivermectina, Zinco e Vitamina D não tem eficácia contra a Covid-19. A declaração foi dada pela especialista em entrevista a CNN Brasil, no início da tarde desta segunda-feira (15).

– Todos nós sabemos, o mundo todo sabe, a ciência já demonstrou que o paciente tem que ser atendido precocemente. Ele tem que ser visto precocemente. Entretanto, algumas medicações pregadas, como a cloroquina, ivermectina, azitromicina, o Zinco e a Vitamina D… já se demonstraram não ser eficazes no tratamento da doença. Não há uma mudança de posição – declarou.

Apesar da declaração, a médica assumiu que, no início da pandemia, prescreveu a cloroquina aos seus pacientes como forma de tentar conter a doença. A cardiologista ainda alegou que a medida foi adotada como uma forma de “salvação” e “desespero”. Hajjar também defendeu a aplicação do lockdown como forma de combater a Covid.

– Eu acho que o Brasil, hoje, pra combater a pandemia… tem que procurar se pautar em evidências científicas, em salvar a vida das pessoas, em procurar atender melhor essas pessoas com diagnóstico precoce, com atendimento melhor dentro das redes hospitalares, com programa de vacinação em massa. O lockdown, já é demonstrado cientificamente… salva vidas – disse a médica.

Mesmo discordando do presidente em diversos pontos, Ludhmila disse entender que Bolsonaro está preocupado com o país e declarou que sentiu do líder uma disposição em torno de mudanças. A médica também destacou que respeita os posicionamentos do chefe do Executivo.

– É claro que ele tem os posicionamentos dele, a visão dele, e isso tem que ser respeitado, é o líder maior da nação. Vou continuar respeitando todas as suas posições – completou.

Leia também1 Mourão defende Pazuello e diz que ministro tem resiliência
2 Feliciano critica Lira por defesa do nome de Ludhmila na Saúde
3 Ludhmila recusa oficialmente convite para Ministério da Saúde
4 Ludhmila Hajjar participou de estudo polêmico com cloroquina
5 Cantor Edson deixa UTI: "Maior vitória da minha vida"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.