Leia também:
X Convocado pela Alerj, Sérgio Camargo reage: “Palhaçada”

Ao STF, PGR diz se opor a pedido para investigar Randolfe

Ação foi proposta pelo deputado Daniel Silveira após senador fazer críticas contra o presidente Jair Bolsonaro

Henrique Gimenes - 25/08/2021 20h40 | atualizado em 25/08/2021 21h18

Randolfe confirma possibilidade de novo depoimento de Queiroga
Senador Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI da Covid Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu que a Corte rejeite um pedido de investigação apresentado pelo deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) contra o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). A ação teve por base críticas feitas por Randolfe contra o presidente Jair Bolsonaro.

As críticas do senador aparecem em um vídeo publicado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) nas redes sociais. Na gravação, o parlamentar faz análise da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

Para Daniel Silveira, Randolfe teria cometidos crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, atacando Bolsonaro com “seriíssimas palavras” e propondo ainda “depor um presidente da República democraticamente eleito”.

No parecer da PGR, no entanto, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, disse que não ficou provado que as declarações do senador atentavam contra soberania nacional.

Além disso, a PGR apontou que o deputado não conseguiu provar que as fala de Randolfe não estavam protegidas pela imunidade parlamentar.

Leia também1 Na CPI, Renan ameaça mais um depoente com prisão
2 CPI convoca motoboy que sacou R$ 4,7 milhões para empresa
3 Alexandre de Moraes diz que STF entrou no modo “bateu, levou”
4 Web se une para denunciar a #RachadinhaDoRandolfe
5 Chefe de gabinete de Randolfe doou para a campanha de 2018

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.