Leia também:
X Revoltado, Dallagnol desabafa sobre perder para Lula na Justiça

Alckmin filia-se ao PSB e abre caminho para ser vice de Lula

O ex-tucano abriu mão de disputar o governo de São Paulo

Pleno.News - 23/03/2022 12h45 | atualizado em 23/03/2022 12h56

Geraldo Alckmin na cerimônia de filiação ao PSB Foto: Reprodução/YouTube UOL

A menos de sete meses do primeiro turno das eleições, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin assinou nesta quarta-feira (23), sua filiação ao PSB e abriu caminho para concorrer como vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência.

Figura simbólica do PSDB, o ex-tucano tem histórico de divergências com o petista. Mas, ao anunciar a decisão de ingressar no novo partido, afirmou que o momento exige “grandeza política, espírito público e união”, numa referência ao objetivo de derrotar o presidente Jair Bolsonaro nas urnas (PL).

A articulação da chapa Lula-Alckmin foi capitaneada pelo ex-governador Márcio França (PSB) e o ex-ministro Fernando Haddad (PT). Para se colocar no cenário político nacional, o ex-tucano abriu mão de disputar o governo de São Paulo, estado que já governou por três mandatos. O convite para concorrer novamente ao Palácio dos Bandeirantes havia sido feito pelo ex-ministro Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD.

Alckmin anunciou sua saída do PSDB em dezembro. Ele estava insatisfeito no partido desde as eleições de 2018 e se sentia traído pelo atual governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que se elegeu colando sua imagem na de Bolsonaro, apesar de Alckmin ter sido o candidato tucano ao Palácio do Planalto quatro anos atrás. Para a eleição deste ano, Doria foi escolhido pré-candidato do PSDB a presidente.

O ato de filiação de Alckmin ocorreu em Brasília, na sede da Fundação João Mangabeira. Estiveram presentes o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, o governador do Maranhão, Flávio Dino, França e outras lideranças nacionais do partido.

PT e PSDB polarizaram quase todas as eleições presidenciais desde a redemocratização do país. Os tucanos governaram o Brasil por oito anos, de 1995 a 2002, com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), e os petistas estiveram no poder de 2003 até 2016, até o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em 2006, quando Lula conquistou a reeleição, seu adversário nas urnas foi Alckmin. Na eleição de 2018, contudo, o segundo turno foi entre Haddad e Bolsonaro, que saiu vitorioso. Alckmin, que foi o candidato tucano, obteve 4,7% dos votos.

Em 19 de dezembro, Lula e Alckmin estiveram em um jantar organizado pelo grupo de advogados Prerrogativas em São Paulo e posaram para uma foto juntos. Foi o primeiro sinal público da aliança. O “Jantar pela Democracia” reuniu, na ocasião, mais de 500 pessoas.

Em 19 de janeiro, o petista disse que não teria “nenhum problema” em construir uma chapa com Alckmin, apesar do histórico de antagonismo entre os dois.

– Governar significa que você tem que adquirir uma possibilidade muito grande de conversar com as pessoas – afirmou Lula.

*AE

Leia também1 Revoltado, Dallagnol desabafa sobre perder para Lula na Justiça
2 Mourão defende Milton Ribeiro, mas cobra esclarecimentos
3 TRE ordena retirada de outdoor com críticas a Lula em Rondônia
4 Pesquisa aponta diferença de 8 pontos entre Lula e Bolsonaro
5 Fachin cobra que Telegram entre em programa contra fake news

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.