Leia também:
X Oswaldo Eustáquio se filia ao PMN e disputará o Senado por SP

Ausência de advogados de Moro e da PGR não anula depoimento

Manifestação sobre o assunto foi enviada ao STF

Pleno.News - 11/11/2021 21h43 | atualizado em 12/11/2021 11h12

Ex-ministro Sergio Moro cumprimentando o presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Carolina Antunes

A Advocacia-Geral da União (AGU), que representa judicialmente os interesses do Planalto, defendeu nesta quinta-feira (11), junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a validade do depoimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no inquérito que investiga se ele interferiu politicamente na Polícia Federal para blindar aliados.

A manifestação foi enviada para rebater o ex-ministro Sérgio Moro (Podemos), pivô da investigação, que tenta anular o interrogatório. O argumento do ex-ministro, que deve se lançar candidato à sucessão de Bolsonaro, é de que a oitiva foi feita sem a presença de seus advogados e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na outra ponta, a AGU diz que a condução da investigação cabe ao delegado.

– Não se pode atribuir, tão-somente pela ausência de advogados ou do MPF, a pecha de nulidade – diz um trecho do documento.

Outro ponto defendido pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco Leal, é que não há obrigação legal de garantir “participação de ativa de advogados” nas oitivas feitas na fase da investigação.

– Não ostenta o senhor Sérgio Moro a qualidade de ator processual que lhe assegure prerrogativas de ampla participação na investigação, sob pena de investir os patronos em poderes próprios do delegado condutor, certo de que, neste estágio, não há partes ou sucumbência, mas trabalho investigativo direcionado à elucidação de fatos constantes do ato de deflagração do procedimento de competência justamente da Polícia Federal, que conduziu o ato – afirma a AGU.

Moro acionou o STF no início da semana contra o depoimento. A defesa do ex-ministro diz que faltou isonomia no tratamento dispensado ao presidente. O ministro Alexandre de Moraes, relator da investigação, aguarda parecer da PGR para decidir sobre o pedido.

Em depoimento, Bolsonaro admitiu que pediu trocas na diretoria-geral e nas superintendências da Polícia Federal e disse que o ex-ministro da Justiça condicionou as substituições a uma vaga no STF. O presidente também afirmou que viu necessidade em mudar a chefia da PF para ter “maior interação”.

Interlocutores do ex-ministro disseram que as perguntas foram selecionadas para “blindar” Bolsonaro. Os advogados chegaram a preparar uma lista de questionamentos, mas não foram comunicados da data da oitiva, o que impediu o comparecimento no Palácio do Planalto na última quinta-feira (4), quando Bolsonaro foi ouvido.

*AE

Leia também1 Homem joga moedas para Moro e o chama de “traidor” e "Judas"
2 Bolsonaro sobre Moro: "Não sabe o que é ser presidente"
3 Ciro: 'Moro vivia disfarçado de juiz; agora vai ser de político'
4 Após filiação de Moro, Carlos cita ambição política de 'moralistas'
5 Doria não vai à filiação de Moro, e site revela a real razão da falta

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.