Leia também:
X Após ter o mandato cassado, Francischini irá recorrer ao STF

Polícia Federal faz novas buscas contra Precisa no caso Covaxin

Agentes cumprem ao todo 11 mandados de busca e apreensão

Pleno.News - 28/10/2021 18h26 | atualizado em 28/10/2021 18h32

Agentes da PF cumprem mandado na Precisa Medicamentos Foto: Reprodução CNN Brasil

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta quinta-feira (28) mandados de busca e apreensão contra a Precisa Medicamentos em busca de documentos para abastecer as investigações sobre supostas irregularidades na venda da vacina indiana Covaxin ao Ministério da Saúde.

Um efetivo de 50 agentes foi mobilizado para executar 11 ordens de busca e apreensão em endereços do Distrito Federal e de São Paulo. Os mandados foram expedidos pela 12ª Vara Federal Criminal do DF. Auditores da Controladoria-Geral da União (CGU) participam das diligências.

De acordo com a CGU, a operação foi batizada de ‘Imprecisão’. O órgão informou que, ao longo das investigações, foi identificado que “uma empresa que alegava ser a representante oficial do laboratório indiano apresentou documentos falsos ao Ministério da Saúde e à CGU”.

– Os trabalhos revelaram, ainda, uma carta fiança irregular emitida por outra empresa que não tem autorização para funcionamento pelo Banco Central, além de outros indícios de fraude nas assinaturas e documentos constitutivos da empresa – registrou a CGU em nota.

A Precisa já foi alvo de buscas em uma operação deflagrada em setembro, por ordem do ministro DiasToffoli, do Supremo Tribunal Federal, a pedido da CPI da Covid. Na ocasião, os agentes vasculharam a sede da empresa em Barueri, na região metropolitana de São Paulo, e um outro endereço em Itapevi, onde fica a empresa Luft Healthcare – responsável pelo armazenamento e distribuição dos produtos da Precisa.

A Precisa fechou contrato com o Ministério da Saúde, em 25 de fevereiro deste ano, para intermediar a compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin a R$ 1,6 bilhão. O imunizante é fabricado pela farmacêutica indiana Bharat Biotech.

O negócio entrou na mira da CPI da Covid – e depois na da PF – após denúncia do servidor Luis Ricardo Miranda, da Saúde, e do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que relataram ter ido ao presidente Jair Bolsonaro, em março, para denunciar irregularidades no contrato.

Segundo eles, a Precisa teria enviado uma ‘invoice’ – nota fiscal – com pedido de pagamento antecipado de doses, feito a uma empresa em Cingapura, que não constava do contrato. A solicitação seria contrária ao acordo com o Ministério da Saúde, que teria de pagar após a entrega das doses.

À CPI, o servidor também relatou pressões de superiores pela liberação da importação da Covaxin.

O contrato da Covaxin foi rescindido no fim de agosto, após a Controladoria-Geral da União apontar indícios de falsificação em documentos entregues pela Precisa ao Ministério da Saúde.

*AE

Leia também1 Cúpula da CPI vai ao STF para entregar relatório a Luiz Fux
2 Renan Calheiros rebate críticas de Lira sobre o relatório da CPI
3 Aziz rebate Lira: "Liberdade de expressão não é libertinagem"
4 Flávio Bolsonaro irá acionar a PGR contra Renan Calheiros
5 Bolsonaro: "Eu sou o servidor público temporário número um”

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.